Ceclin
jul 02, 2022 0 Comentário


Workshop em Vitória ensinará produção de documentários a partir das histórias de vida dos estudantes

Realizado gratuitamente na Casa Mosaico, em Vitória, Autobiografias do Presente contará com uma imersão em aspectos da produção audiovisual e nas próprias vivências dos participantes

Neste mês de julho, a oficina Autobiografias do Presente aporta em  Vitória de Santo Antão, na Mata Sul pernambucana, buscando formar produtores audiovisuais de documentário, utilizando como ponto de partida suas próprias histórias e trajetórias de vida. A ação é realizada em uma parceria entre a produtora Combo Multimídia e o Núcleo de Experimentação em Teatro do Oprimido (Nexto-PE).

A iniciativa realizará uma imersão de 40 horas por ferramentas que vão da roteirização à edição, em aulas conduzidas por um time de profissionais de comunicação, audiovisual, arte-educação e teatro, resultando na produção de um documentário autobiográfico de cada aluno. As inscrições são gratuitas e já estão abertas para todos os públicos, indo até 05 de julho para Vitória e 12 de julho para Caruaru.

Para além das técnicas cinematográficas e reflexões sobre o fazer cinema, em especial com o uso de suportes como celulares e câmeras digitais comuns, as turmas passarão por uma jornada de autoconhecimento individual e coletivo a partir dos exercícios propostos pela metodologia de Teatro do Oprimido, desenvolvida pelo emblemático Augusto Boal nos anos 1970. Suas próprias histórias e vivências serão o fio condutor de todo o processo de criação dos filmes.

“O grande objetivo é conseguirmos trazer uma formação com um recorte de um tipo de produção muito recente, em especial dos anos 2000 pra cá, que temos um boom dessas formas de escrita de si muito atrelada ao cinema documental, não só no Brasil, mas em outras cinematografias estrangeiras. É algo que fala sobre uma demanda e uma necessidade nossa de encontrarmos outras narrativas que fogem do modelo hegemônico industrial. Queremos entender o cinema como essa forma de comunicação entre dois sujeitos, com suas trajetórias e particularidades, entendendo também como isso alimenta nossa formação como sujeito, em especial nesses tempos que temos nossa própria imagem tão publiciziada”, elabora Márcio Andrade, um dos idealizadores do projeto.

O projeto está aberto para adultos e jovens acima de 16 anos de todas as classes sociais, em especial para estudantes e profissionais da área de artes, literatura, cinema e audiovisual que se interessem por essa linguagem.  Eles aprenderão conceitos como Escritas de Si para cinema, exercícios de Teatro do Oprimido para trazerem suas histórias à tona, etapas da produção audiovisual e suas possibilidades de financiamento e pós-produção, além de atividades práticas de gravação e edição.

“Quando cada pessoa resolve contar num filme a sua própria história, colocando-se no centro da narrativa e expondo a sua estratégia para lidar com algum conflito ou questão, estamos construindo pistas importantes para analisarmos aspectos sociais daquela comunidade. No gesto de contar as próprias histórias, revelamos nossas estratégias de sobrevivência no mundo, e isso é importante para problematizarmos a nossa própria estrutura social, que produz inúmeras desigualdades. Possibilitar que grupos oprimidos se apropriem do modo de produção cinematográfico é também criar mecanismos de diálogo sobre a vida, a sociedade, as relações”, afirma Wagner Montenegro, um dos idealizadores e responsável pelo uso das ferramentas do Teatro do Oprimido na oficina.

As aulas serão realizadas na Casa Mosaico, situada no Bairro da Bela Vista, entre os dias 9 e 10 de julho, das 9h às 17h (com intervalo para almoço). A turma contará com quinze (15) selecionados.

As inscrições devem ser feitas pelos formulários clicando AQUI.

SOBRE OS PROFESSORES

Márcio Andrade – Roteirista, Pesquisador, Produtor e Educador e Doutor em Comunicação.  Autor de Autobiografias do Outro – Camadas de Selfies em Documentários Pernambucanos (2015) e de cerca de quarenta (40) artigos sobre narrativas digitais, documentário, roteiro e escritas de si publicados em livros, revistas e eventos acadêmicos. Atualmente, coordena a Combo Multimídia, produtora especializada em curtas (Preces Fora do Armário), podcasts storytelling (Lá na Frente, Anônimos, Espelhos Partidos e Aventurama), revistas digitais (F(r)icções e Quarta Parede) e oficinas (Fricções, Autobiografias do Presente e Ponto de Virada) na área de produção multimídia.

Wagner Montenegro – Ator, Arte/Educador, Realizador Audiovisual e Produtor Cultural. Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com intercâmbio no curso de Antropologia da Universidade Nova de Lisboa, Portugal, em 2012. Desde 2018, integra o elenco dos Doutores da Alegria (PE) e, em sua trajetória, participou do elenco de espetáculos como Las Mariposas (2015) e Deixa Ser Eu (2014).No campo do audiovisual, envolveu-se na produção de filmes de curta-metragem do gênero documentário, assinando a direção dos curtas Sethico (2021) e Laço Branco (2016) e do longa Las Mariposas (em finalização), todos produzidos pelo Núcleo de Experimentações em Teatro do Oprimido (Nexto-PE), do qual é co-fundador.

Danielle Valentim

Mestre em Ciências das Artes e da Comunicação pela Universidade de Oldenburgo (Alemanha) e iniciou sua carreira trabalhando em emissoras de televisão como a TVU (Recife) e o canal alemão NDR. Há cerca de oito anos, tem se dedicado aos setores executivo e financeiro de mostras de cinemas e de filmes de curta e longa metragem. Em 2020 lançou o curta experimental “Carta ao Mar” e agora atua também nos setores de roteiro e direção. Aprovou pelo edital Funcultura Audiovisual (PE) uma série de interprogramas, onde atua como roteirista e diretora, que está em produção e deve ser lançada até o final de 2022.

Filipe Marcena

Artista da dança e do audiovisual, formado em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal de Pernambuco, com graduação-sanduíche em Film Studies pela University of Toronto, Canadá, através do programa Ciências Sem Fronteiras. Atua como artista-criador, bailarino, videomaker e pesquisador na companhia de dança contemporânea Cia. Etc., onde produz documentários, registros de espetáculos e videodanças como Dança Macabra (2017) e Queda (2020), ambos co-dirigidos por Marcelo Sena. Atua como diretor, roteirista, editor, fotógrafo, ator, professor, assistente de direção e curador.

SERVIÇO: 

Turma 01 – Vitória de Santo Antão

Oficina Autobiografias do Presente

Período de Realização – 09 e 10.07 | Manhã (09h às 12h) e Tarde (14h às 17h)

Local – Casa Mosaico (Rua Severino Marçal Nunes, 236 – Bela Vista – Vitória de Santo Antão)

Período de Inscrições – Até 05 de julho

Valor da Inscrição – Gratuito

Link para Formulário – AQUI (https://forms.gle/1smSNb55Zf9NEa2h6) ou no perfil @combomultimidia

Divulgação de Selecionados – Até 07.07.22