Ceclin
abr 21, 2010 7 Comentários


"Vitorienses não estão sendo qualificados para empregos", diz Bione

O médico Edvaldo Bione, do PHS, em sua conversa semanal com o apresentador Lissandro Nascimento, toda sexta no Programa A VOZ DA VITÓRIA, transmitido de segunda a sexta feira das 6h às 8h pela Rádio Tabocas FM (98,5), falou sobre os fenômenos climáticos atuais, planejamento urbanístico, dos 175 anos da Alepe e suas pretensões políticas.

Segundo Bione, o meio ambiente está passando por uma fase de modificações climáticas, são fenômenos que algumas pessoas atribuem ao aquecimento global.
“No caso do Rio de Janeiro esses temporais de verão são muitos comuns e quando encontram condições desfavoráveis eles viram uma catástrofe. No Rio, a quantidade de chuvas foi muito grande, choveu em um dia o que estava previsto para chover em um mês. Vale apenas lembrar que isso no Rio ocorre com freqüência, só que desta vez encontrou um lixão aterrado e construíram casas poucos metros acima desse lixão e quando a água penetrou nas camadas internas do aterro ocasionou essa tragédia de dimensões incomensuráveis”, relatou.

Bione falou sobre representatividade e urbanização dos municípios, afirmando que a política de Vitória precisa ser oxigenada, pois não cabem mais antigos discursos que alardeiam heranças malditas e conduta messiânica, confundindo assim a cabeça do eleitor.

“Hoje somos representados por dois políticos de grande expressão, mas eles já contribuíram muito para o desenvolvimento do Município para que Vitória fosse o que é hoje. É preciso que surjam lideranças novas que enxerguem as necessidades vitorienses”, declarou.
“Vitória é um polo regional importante, na medida em que empresas de grande porte vão se instalando em Vitória as pessoas migram para cá em busca de uma vaga, aumentando assim áreas de risco que ainda não estão povoadas pois o valor comercial é baixo e mais acessível para essa população”.

Indagado sobre os 175 anos da Assembleia Legislativa de Pernambuco e o seu desempenho político, Bione se diz satisfeito, ressaltando a conduta ética da entidade e o desejo de fazer parte da futura bancada legislativa.
“A representação pública da Assembleia, da Câmara Federal e do Senado é a representação do povo. São as pessoas que elegem aqueles cidadãos que vão representar os interesses de cada um que teve oportunidade de votar”, comentou.

“Estou satisfeito com os quadros da Alepe, pois você não vê casos de deputados que se envolvem com tráfico, assassinatos e desvios de verbas com a intensidade que existe em Brasília e algumas capitais. Espero uma renovação de 40% nas próximas eleições e pretendo está incluído nessa renovação”, completou o médico.

O apresentador Lissandro Nascimento comentou sobre a centralização nos investimentos de eletricidade no Nordeste, onde a Eletrobrás vai coordenar agora todo o processo, visto que a CHESF vinha fazendo este trabalho, com limitação financeira, e hoje está literalmente submetida a Eletrobrás.

Lissandro lembrou que o Deputado Fernando Ferro (PT), falou no Programa abordando esse assunto. “Ele está brigando e cobrando uma solução. Inclusive o governador Eduardo Campos tem se posicionado contrário a essa questão de secundarização da Chesf”, disse o apresentador.

“Eu tenho ouvido vários debates, inclusive aqui no Programa, pois a tendência natural é a Eletrobrás levar todos os interesses da Chesf a sede central, a intenção é transformar a Eletrobrás numa empresa igual à Petrobras esse é o interesse do Governo”, opinou Bione.
“A perda de autonomia é preocupante por inúmeros motivos, em relação ao Nordeste, sabemos que a Chesf é uma das empresas que mais contribui para a cultura de Pernambuco, sabemos que temos uma cultura bem diversificada e precisamos de empresas como esta para investir em nossos projetos locais para preservação de nossa identidade, e acredito que teremos uma perda muito grande”, disse Bione.

“A perda financeira é irrelevante, por que a Chesf vai continuar vendendo energia subsidiada para grandes empresas, o Ministro Lobão vendeu energia para algumas empresas lá do Maranhão com interesses pessoais, e a cada dia me pergunto como um País tão grande e tão cheio de problemas subsidia milionário e empreendedores”, concluiu.

Durante a conversa, o Apresentador Lissandro Nascimento falou sobre o programa de interiorização de desenvolvimento do Governo do Estado, a exemplo do que o governador Eduardo Campos (PSB) assinou no Palácio das Princesas uma série de investimentos no valor de 40 milhões de Reais, em duas empresas que estão sendo instaladas nos municípios de Rio Formoso e Moreno, perguntando ao entrevistado qual sua visão desta interiorização.
“É um trabalho muito importante do Governo Eduardo Campos nesta interiorização, afinal precisamos tirar as empresas da Região Metropolitana, a exemplo da Vitória de Santo Antão que já recebeu a Sadia e está recebendo outras empresas de fora”, pontuou.

“O Prefeito do Moreno Edvard Bernardo é oposição ao governo atual, é Jarbas de carteirinha, inclusive contemporâneo de Jarbas quando fazia Direito na Universidade Católica de Pernambuco, e independente disso a gestão Eduardo Campos está colocando uma empresa no seu município. Já em Rio Formoso, o Prefeito Hely Farias é Eduardo Campos, e para você vê, não houve alguma distorção em relação a isso, pois o que estou me referindo não é crítica é só a observação da forma que o Governador está trabalhando”, observou o médico.

“A Sadia chegou aqui em Vitória de Santo Antão com uma proposta de 1.500 empregos diretos, onde eles têm isenção de impostos por décadas, e ganharam todo o chão para construção. Hoje a Sadia só dispõe de 300 funcionários para empacotamento das mercadorias que estão chegando de outros Estados, pois a Sadia hoje está se utilizando destas isenções. Penso que nós devemos cobrar de nossos políticos ações que incentivem produzir com a ajuda das cooperativas”, sugeriu Bione.

“Hoje nós temos inúmeras empresas e empreendimentos de grande porte em Pernambuco, até a empresa que está construindo a Sadia é do Rio Grande do Sul. Vitória não obteve o resultado esperado para favorecer a região, pois se nós continuarmos implantando empresas aqui para dar emprego aos Vitorienses e aos moradores de cidades circunvizinhas, dando chão para eles construírem com visão na isenção, daqui a algum tempo a isenção acaba e eles irão embora. Isto é minha forma de observar, é uma coisa clara”, observou.

“Não podemos fazer uma implantação de indústrias como estas e não investir na Educação. Muito pouco está sendo qualificada a mão de obra no Estado, pois sobra vaga pra soldadores industriais, e para quem possa operacionalizar máquinas de grande porte em SUAPE. Se não houver capacitação teremos que importar mão de obra e essa importação é cara e traz prejuízos para o Estado na medida em que você tem os cargos de maiores destaques financeiros ocupados por pessoas que vem do sul do País. É preciso hoje que se trabalhe esse lado da capacitação”, finalizou Edvaldo.

O apresentador Lissandro Nascimento fez indagações ao entrevistado sobre o seu ponto de vista em relação às Eleições 2010 para o cargo de Governador, já que ele é pré-candidato pelo PHS a Deputado Estadual e está apoiando o Governador Eduardo Campos, além da provável candidatura do Senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) a governador.
“Sem dúvida alguma será uma eleição muito difícil, porém na eleição passada quando o Governador Eduardo Campos se lançou candidato praticamente ele não tinha nenhum prefeito com ele, e o PSB teve muita dificuldade a começar a caminhar e o Governador investiu na possibilidade. Saiu com 3% das intenções de votos e hoje é Governador do Estado de Pernambuco com uma grande chance de reeleição”, salientou.

“Jarbas é um candidato muito forte, pois ele é uma pessoa que não gosta do Senado, não gosta do legislativo. Seu perfil é de um executivo e quem mais quer ser governador é Jarbas. Ele fica em frente aos Jornais e TV’s protelando, falando que não sabe ainda e que vai conversar com José Serra. Acredito que na Região Metropolitana haja um empate técnico com os partidos de esquerda, em minha visão será uma eleição fortíssima para o Senado”, avaliou Edvaldo.

“Na eleição passada em Vitória, quando fui candidato a vice-prefeito, faltando 30 dias para as eleições estávamos com 18% à frente nas pesquisas e substimamos a oposição. O que aconteceu? Perdemos com 232 votos de diferença. Substimar seu adversário numa campanha é uma das maiores burrices que se pode acontecer numa eleição”, ensinou Bione.

Finalizando a conversa, um ouvinte ligou perguntando a Bione se ele assumir uma das vagas na Assembleia o que ele poderia fazer para incrementar a oferta e a capacitação para esses empregos trazidos pelas novas indústrias em Vitória de Santo Antão.
“O que está faltando na Sadia é decisão política, pois precisamos de formações de cooperativas, somos os maiores produtores de hortifrutigranjeiro do Norte e Nordeste. Deveríamos contar com o apoio do Banco do Nordeste, Banco do Brasil e também do Banco Mundial. Os políticos de Vitória querem o povo sem emprego, sem escolaridade, sem uma discussão de política ampla, para trocar o voto no dia da eleição por um pão, uma camisa de determinada cor e uma quantidade de dinheiro. Esse é o grande problema, pois os interesses coletivos só podem acontecer se nós podermos dispor de Tribunas”, ponderou.

Por Equipe de Produção.