Ceclin
out 27, 2008 4 Comentários


Vitória larga na frente na decisão


Publicado em 27.10.2008

O Vitória largou na frente na final da Série A2 do Campeonato Pernambucano. Ontem à tarde (26), o Tricolor das Tabocas venceu a Cabense, por 1×0, no Estádio Gileno de Carli, no Cabo de Santo Agostinho, com um gol de falta do zagueiro Sandro Miguel.
Agora, no jogo de volta, na próxima quarta-feira, às 20h, no José Vareda, em Limoeiro, o time pode até empatar que será o campeão. Para a Cabense, resta vencer por qualquer placar e levar a decisão para os pênaltis, já que o saldo de gols não é usado como critério de desempate.
A partida de ontem, que teve um público de 3.062 torcedores, foi marcada pela polêmica arbitragem de Gilberto Castro Júnior. A Cabense ficou na bronca com o desempenho do árbitro, que expulsou dois jogadores da equipe, ainda no primeiro tempo, e teria deixado de marcar um pênalti na segunda etapa. “A arbitragem foi totalmente tendenciosa. Ele não está preparado para apitar uma decisão”, disparou o diretor de futebol do time do Cabo, Carlos Kila. Após o apito final, mais confusão. O atacante Eduardinho, do Vitória, acusou o zagueiro da Cabense André de ter lhe dado um soco.

Com a bola rolando, a Cabense dominou o jogo até os 30 minutos do primeiro tempo, quando o atacante Aílton foi expulso, acusado pelo árbitro de ter agredido sem bola um defensor do Vitória. A partir daí, os visitantes tomaram as rédeas da partida. A situação do time do Cabo ficou mais complicada depois que o lateral-esquerdo Oliveira levou a segunda advertência por, na interpretação do juiz, ter simulado um pênalti, aos 40 minutos.
O que se viu no segundo tempo foi um jogo de ataque contra defesa. O Vitória abriu o placar logo aos cinco minutos. Numa cobrança de falta da intermediária, o zagueiro Sandro Miguel chutou forte no canto direito do goleiro Ibson.

O Tricolor das Tabocas, aproveitando a superioridade numérica, ainda acertou mais duas bolas traves, mas não conseguiu ampliar o marcador.
Coube à Cabense apenas se defender e tentar alguns contra-ataques esporádicos. Num deles, a torcida pediu pênalti, quando o zagueiro Riso atropelou o atacante Eduardo, mas Gilberto Castro mandou o lance seguir. “Ficou difícil, mas dá para inverter”, afirmou o técnico do alviazulino, Rogério Zimermann, que também se queixou da arbitragem. “Ele deixou muito a desejar”.
Pelo lado do Vitória, o treinador Peu Santos disse que o resultado foi importante e valorizou a vantagem. “Mesmo se perdermos, o jogo ainda vai para os pênaltis. A nossa situação está muito boa”, analisou.
(Jornal do Commercio).