Ceclin
Maio 06, 2008 2 Comentários


Vitória: 165 anos de emancipação política

Foto da inauguração do monumento erigido em homenagem ao primeiro
centenário da nobre data, 1943. (Foto-Arquivo do Prof. Pedro Ferrer)

Nossa Vitória de Sto. Antão completa neste 6 de maio, 165 anos como cidade. Fundada em 1626 por Diogo de Braga percorreu uma longa trajetória, até atingir hoje, sua destacada posição no rol das cidades pernambucanas.
A Freguesia de Santo Antão permaneceu ligada ao Município de Olinda até 1811, quando o Rei Dom João VI a elevou à categoria de vila. Seu estágio como vila foi rápido, trinta e dois anos. Em abril de 1843, sendo Presidente da Província, o Sr. Francisco do Rego Barros, o Conde da Boa Vista, o Deputado Dr. Felipe Lopes Neto Junior, apresentou um Projeto que elevava a Vila de Santo Antão à categoria de Cidade. Aprovado, o Projeto tornou-se Lei, sendo sancionada em 6 de maio do mesmo ano. A Lei, que tomou o nº 113, determinava uma nova denominação para a localidade, Cidade da Vitória, escolhida em homenagem à vitória dos pernambucanos contra os holandeses. A elevação à condição de cidade subtende mais autonomia, mais liberdade administrativa e jurídica e consequentemente melhor qualidade de vida para os cidadãos. Convoco meus conterrâneos a um momento de reflexão. Qual nosso nível de cidadania? Cidadania é uma palavra de origem latina “civitas”, que significa cidade. Lembremos que ser cidadão é respeitar e participar das decisões da sociedade que visam beneficiar a todos. A cidadania manifesta-se em pequenas atitudes: respeitar as leis de trânsito, não jogar papel e lixo nas vias públicas, não exagerar no volume dos sons, respeitar o direito dos outros ao silêncio, não quebrar orelhões, respeitar os idosos, proteger as crianças, não colar (filar) nas provas, não se valer do poder para explorar e ludibriar os mais frágeis, ser cortês com o companheiro de trabalho etc. Além destas atitudes, compete ao povo no exercício da cidadania cobrar respeito, honestidade, responsabilidade e seriedade de seus governantes.
Afinal, qual o nível de cidadania dos vitorienses?
Como o Prefeito, Secretários, funcionários e vereadores se relacionam com seus cidadãos? Para estes o bem e o direito da coletividade são prioritários?

Prof. Pedro Ferrer
Membro da AVL e IHGV.