• Ceclin
dez 04, 2008 3 Comentários


Violência em Areia Branca causa tristeza e pavor nos moradores

04.12.2008 às 12h58m

No caminho ao bairro de Areia Branca, uma área pobre de Vitória de Santo Antão, a equipe do Vida Real ouviu a lamentação dos moradores da comunidade. “Isso aqui é uma tristeza”, disse Fernanda da Silva. “Eu sofro demais aqui. Tô me acabando. Isso é um lugar triste”, emociona-se a dona de casa Maria Miriam.
A tristeza ou os problemas dos moradores começam pela poeira. As ruas de chão batido são cobertas pela névoa da poeira quando os carros passam pelas vias. Durante a reportagem, a câmera flagrou uma ambulância passando pelo local e a dona de casa Maria logo nos chamou a atenção. “Tá vendo a ambulância? É gente passando mal de tanta poeira que tem nesse lugar”, afirmou.
E se dia a preocupação é com a poeira, à noite o medo é da violência. De acordo com os moradores, os bandidos põem pedras pesadas no meio do caminho, para impedir o tráfego de veículos. Os mototaxistas também são parados com arames farpados ou cordas. “Leva moto, dinheiro, o que tiver e a gente não pode fazer nada. Depois que caem, eles fazem o que querem”, conta o mototaxista José Edvaldo.
No fim de novembro, o mototaxista Moacir foi assaltado na Ponte do Limão e só não foi executado porque um dos criminosos o reconheceu. “O infeliz disse: ‘não mata não que é Pá. Ele é um bom amigo’”, conta a mãe da vítima, Maria Idelfonso.
Apesar de o terem reconhecido, o rapaz não saiu ileso do assalto. Os bandidos deram uma coronhada com o revólver e Moacir levou 23 pontos na cabeça. No dia da visita do Vida Real, a vítima estava no hospital, para fazer curativos. “Chorei e choro. Quando eu me lembro, as lágrimas descem e parece que eu tô vendo tudo de novo”, desespera-se a mãe.

Moradores de Areia Branca pensam em vender casas por medo da violência

04.12.2008 às 14h09m

O medo de quem vive na comunidade de Areia Branca, Zona Rural de Vitória de Santo Antão, é tanto que algumas pessoas já pensam em vender seus imóveis.
Maria Miriam, a dona de casa que encontrou a equipe do Vida Real no meio do caminho e se emocionou ao dizer o quanto sofria pela violência no lugar onde vive, por exemplo, já pôs placa de venda. “Troco, faço qualquer rolo, mas eu queria vender essa casa”, diz.
E cobra uma atitude do governo estadual. “A gente não deu o voto a vocês, porque vocês não cumprem o que prometeram? Não tem policiamento”, questiona a moradora.
(pe360graus.com).