• Ceclin
jun 14, 2019 0 Comentário


Vice-prefeito de Vitória Dr. Saulo rompe com os Queralvares e anuncia que virou oposição

Vice-prefeito de Vitória Dr. Saulo rompe com os Queralvares

Dr. Saulo Albuquerque rompe com o prefeito de Vitória e condena o fato dos palanques políticos na cidade nunca se desarmarem

Por Lissandro Nascimento

Faltando 15 meses para as eleições municipais de 2020, em Vitória de Santo Antão, o vice-prefeito Saulo Barros de Albuquerque (sem partido), anunciou rompimento político com o prefeito José Aglailson Queralvares Júnior (PSB).

A decisão segundo o vice-prefeito, deve-se ao fato do prefeito não cumprir as promessas de campanha acordadas com ele. “Decidimos compor para melhorar a cidade e construímos um plano de governo juntos que até agora não foi cumprido. Meu apoio foi crucial para a vitória da chapa em 2016”, ressaltou ele durante entrevista coletiva com toda a Imprensa de Vitória no início da tarde desta sexta-feira (14/6).

A discussão crucial do assunto, segundo Dr. Saulo, já vem acontecendo há muito tempo, pois nunca havia sido convocado para dar suas contribuições, bem como não ter nenhuma participação nos assuntos importantes do governo, apesar dele ter relatado que expôs no ultimo mês de fevereiro o desconforto do seu grupo político, porém o prefeito até então não lhe deu respostas. “Então, tivemos um encontro no último dia 05 de junho e oficializei ao prefeito o fim de nossa parceria e, a partir de agora, virei oposição”, sentenciou o médico. Dr. Saulo diz que não está renunciando ao cargo de vice-prefeito, apenas se desvincula politicamente dos Queralvares. “Não estou arrependido de nada que fiz na vida política, mas temos que tocar para frente. Ainda não mim decidi que rumo vou tomar nas eleições de 2020”, complementou. O vice ainda contou a Imprensa que buscou intermediários para atenuar a crise política instalada entre ambos. “O deputado federal Augusto Coutinho e o estadual Alberto Feitosa ficaram cientes dos problemas e não se pronunciaram. Ambos não me deram atenção com relação a essa falta de espaço no governo”, confessou.

Dr. Saulo AlbuquerqueGrande liderança política, Dr. Saulo foi eleito vice em 2016 pelo partido Solidariedade, após ter sido vereador em Vitória por três vezes. Todos os mandatos exercidos se deram no grupo do PSB por onde militou por 15 anos. Para marcar posição política, ele se lançou praticamente sozinho a deputado federal pelo PRTB nas eleições de 2018 obtendo no Município 6.910 votos.  Natural de Recife, ele tem na Medicina a sua marca como médico popular que atua em diversas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), tendo como sua principal bandeira a melhoria deste sistema.

Certamente, o prefeito Aglailson Júnior mais uma vez se equivocou politicamente em não procurar ampliar seu palanque e valorizar seu vice. A saída de Dr. Saulo do grupo fragiliza a reeleição do atual prefeito de Vitória. “Não fui ingênuo e nem me sinto injustiçado em ter se aliado a Júnior, apenas acreditei que faríamos um bom governo. Deixo para a população de Vitória julgá-lo, não caberia ao vice”, refutou aos questionamentos da Imprensa.

“Os palanques em Vitória nunca se desarmam, precisamos acabar com essa mesquinharia que fere a boa política. Minha aliança com Júnior não foi para fazer barganha, não sou vendável! Todas as forças políticas da cidade reconhecem minha integridade moral e meu compromisso em servir Vitória”, desabafou Dr. Saulo. Ele rechaçou o fato de Aglailson Júnior ter espalhado a decisão de rompimento. “Temos um enorme respeito um pelo outro. Porém o próprio prefeito estranhamente fez questão de divulgar a minha decisão de rompimento. De minha parte, estou externando publicamente agora através deste valoroso momento com a imprensa vitoriense”, crivou.

Provocado pelo A Voz da Vitória se decidiria concorrer ao cargo de Prefeito de Vitória se contrapondo a reeleição de Aglaílson Júnior, Dr. Saulo assim respondeu cauteloso: “Se conseguirmos construir a união de importantes segmentos sociais do Município e juntar as forças de oposição que se contrapõem aos grupos políticos tradicionais, meu nome sendo convocado aceitarei a missão de concorrer a Prefeito. Sei que precisamos construir musculatura para enfrentá-los, contudo, ainda não mim defini, neste momento. Tenho quatro caminhos a seguir: deixar a política, ser candidato a vereança, vice-prefeito ou prefeito”, ressaltou.

coletiva de imprensa de Vitória com Dr. Saulo Albuquerque

A prática do PSB de Vitória de Santo Antão se contrasta com a prática da legenda no Grande Recife, quando se trata em compor com outras forças políticas. A família Queralvares que coordena desde a década de 1990 o Partido Socialista Brasileiro no Município, sempre procurou soluções caseiras para compor suas chapas majoritárias. Exemplo o que ocorreu em 2000, 2004, e 2012, quando o pai do atual gestor, ex-deputado e ex-prefeito José Aglaílson escolheu para vice, cidadãos de pouco felling político (Biu da Morepe e Dedé), e sua filha Ana Elisabete, respectivamente. Sabendo que seria uma disputa acirrada, Júnior conquistou o vice que todos queriam em 2016, e agora despreza, certamente procurando substituir por alguém mais alinhado ao estilo “caseiro”.

Registra-se que historicamente Dr. Saulo foi o primeiro Vice-prefeito a externar publicamente e oficialmente numa coletiva de imprensa o rompimento político com o Poder Executivo de Vitória. Depois da redemocratização no Brasil, não se teve vice que rompeu com prefeito em Vitória, se ocorreu, nunca foi externado publicamente.

PERFIL

Em 2016, Dr. Saulo Albuquerque tornou-se cidadão vitoriense num grande evento que congregou todas as forças políticas de Vitória. O médico de 60 anos começou sua carreira política com o finado Doutor Ivo Queiroz (prefeito três vezes), quando atuava com ele na Maternidade local. Dr. Saulo assumiu pela primeira vez uma vaga na Casa Diogo de Braga entre 2003-2004, no lugar de Aglailson Júnior. Depois não conseguiu continuar na Casa ficando na terceira suplência. Em 2008, foi eleito como o 10º mais votado daquele pleito. Em 2012, renovou o mandato sendo o terceiro mais votado (2.770 votos), numa eleição aonde o PSB chegou a ser esvaziado. “O PSB ficou esfacelado com a desistência de cinco vereadores. Fiquei só e não desisti da disputa. O partido perdeu o rumo na cidade, não tive como lá continuar”, relatou, na época, ao Blog A Voz da Vitória.