Ceclin
set 25, 2015 0 Comentário


Vereadores de Vitória: “legisladores frouxos?”, indaga Martins

ACORDÃO: Visita inesperada de Aglailson à Casa acende possibilidade de um acordo com Elias Lira para nada mudar. Foto: WhatsApp A Voz da Vitória

ACORDÃO: Visita inesperada de José Aglailson à Casa acende possibilidade de um acordo com Elias Lira para nada mudar. Foto: WhatsApp A Voz da Vitória

Por Elias Martins 

O que faz um homem voltar atrás em sua palavra?

Porque voltar atrás, quando sua palavra consolida o posicionamento do Legislativo da Vitória de Santo Antão em relação às normas constitucionais, que afirmam o direito de uma população para as próximas eleições de 2016 assegurarmos 19 Cadeiras!

Ultimo dia 17 de setembro, comentei a sessão com discursos acalorados, em especial de Edvaldo Bione (PROS), em defesa da proposta da Mesa Diretora da Câmara, que resolveu acompanhar o texto da Constituição Brasileira, Art. 29, “f”, que consolida a nossa representação a partir das próximas eleições municipais em 19 vagas, como número máximo. Entenda AQUI.

Apenas dois vereadores (Toninho e Duda de Pacas), foram inexplicavelmente contra a proposta da Mesa, onde o Irmão Duda saiu do plenário cuspindo fogo e prometendo que a decisão da maioria (Bau, Bione, Sandro, Geraldo, Danda, Edinho, Edmo, Saulo e Novo da Banca) não ficaria assim.

Toninho e Irmão Duda, numa escala de 1 a 10, o que representam para a evolução das atividades parlamentares do nosso Município? “1” talvez.

Comenta-se que não dão um único passo, sem antes se aconselhar com o Prefeito Elias Lira (PSD).  Seriam eles capazes de reverter o posicionamento tomado pela esmagadora maioria, boa parte integrante do bloco governista, num projeto que dá a nossa população o direito constitucional de maior representatividade política?  Chegamos à 135.805 habitantes, estimativa do IBGE para 2015.

Espero sinceramente que o posicionamento dos nobres nove vereadores que se inclinaram pelas 19 vagas no primeiro turno se mantenha, porque todos foram eleitos para defender os direitos da população.  E esse está estampado na nossa Carta Magna, aguardando apenas ser replicado em nossa Lei Orgânica.

Existe um velho ditado chinês que diz:

“Há três coisas que não voltam atrás: A Flecha Lançada, a Palavra Pronunciada e a Oportunidade Perdida”.

A Flecha – O Projeto

A Palavra – Os Nove votos favoráveis

A Oportunidade – Se não for agora, só daqui à mais quatro anos.

Existe ainda um velho provérbio brasileiro:

“Um Fio de Bigode, garante a palavra dada de um homem”.

Será que seremos vitimas da Lei de Gerson?

“O mais importante é levar vantagem em tudo, certo?”

Depois da primeira votação, a meu ver, voltar atrás é um suicídio político, para muitos que alí estão, extremamente desgastados pelos inúmeros acontecimentos que vem sendo dada ampla divulgação na mídia local.                   Os tempos são outros!

Para se manter as vagas nas atuais 11, são necessários apenas mais dois votos contrários.

       SERÁ UMA VERDADEIRA VERGONHA, CASO ISSO ACONTEÇA.

Só nos resta aguardar a próxima sessão legislativa.

Martins Colunista

 

Por Elias Martins, colunista do Blog.