Ceclin
jul 31, 2012 0 Comentário


Ventos da fé

por Hely Ferreira

Há novos ventos soprando no ceio das igrejas protestantes (Igrejas históricas). O que antes parecia uma erva daninha, aos poucos vem retomando o espaço que já lhe pertenceu. Os problemas sociais estão sendo debatidos com mais frequência na seara do protestantismo histórico. Talvez essa preocupação esteja atrelada a um entendimento de que a maioria das comunidades de linha pentecostal ou neo-pentecostal vem buscando em cada eleição ampliar seus representantes nas casas legislativas.

Infelizmente, a chamada bancada evangélica, se destaca não por ter uma atuação indefectível, mas pelo corporativismo, onde não raras às vezes, em que negocia no Congresso Nacional propostas de maneira não muito republicana.

Parte da paupérrima conduta de alguns integrantes da bancada, é reflexo da velha falta de espírito público do povo brasileiro, que já foi decantada por Sérgio Buarque. Cabe ao eleitor está atento a conduta dos seus representantes, pois exercer cidadania não é apenas votar, mas também acompanhar os passos de quem se elege.

Os reformadores sempre defenderam uma atuação constante na vida social, o próprio Calvino ensinou que não se deve ter condutas ambíguas na sociedade. O cristão tem que se comportar na rua, da mesma maneira que é em casa.

A sociedade brasileira está amadurecendo e consequentemente posturas adotadas por pessoas que aqui chegaram de outros países e mudaram de credo para obter espaço na sociedade, atualmente não existe mais guarida, ou enviar telegramas as igrejas afirmando que se determinado candidato for eleito ela irá fechar os templos, devem ser banidas. O que deve ocorrer é compromisso com transformações sociais, sem perder os princípios cristãos. Respeitando o direito das pessoas e buscando uma sociedade mais justa, mesmo sabendo de todas implicações para que prospere.

 

 

por Hely Ferreira,

Cientista Político.