Ceclin
set 23, 2021 0 Comentário


Vaquejada não autorizada é interrompida em Vitória de Santo Antão

Cerca de 600 pessoas estavam no local. Foto: Divulgação/Procon-PE

Segundo o Procon-PE, que participou da fiscalização, a maioria dos presentes não cumpria os protocolos sanitários

Uma vaquejada não autorizada foi interrompida por uma fiscalização do Procon-PE, na noite dessa quarta-feira (22.09), no Parque Roberta Urquiza, em Vitória de Santo Antão, na Mata Sul de Pernambuco.

Segundo o órgão, a “Bodega do Vaqueiro”, como era chamada pelos organizadores, não se enquadra em evento-teste porque não solicitou autorização da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Os responsáveis não souberam precisar quantas pessoas estavam no local, segundo o Procon-PE, mas estimativas das equipes de fiscalização indicam que eram mais de 600, o que já não é permitido.

Os fiscais chegaram ao local após denúncias. De acordo com o Procon-PE, além da vaquejada, havia show de forró e transmissão ao vivo pelo YouTube.

Muitos dos presentes não respeitavam as normas sanitárias dos protocolos de combate à Covid-19. Os fiscais constataram muitas irregularidades por parte da organização do evento e do público, segundo o Procon-PE.

Boa parte dos presentes no evento não estavam portando máscara ou cumprindo a distância física. Algumas mesas tinham mais de 10 pessoas quando foram identificados alguns espaços com o número maior de consumidores do que é permitido (10 pessoas), haviam mesas com 11 e 14 pessoas. Os fiscais também identificaram pessoas dançando entre as mesas e consumindo bebidas em pé. “Há protocolos vigentes e que precisam ser rigorosamente seguidos para que possamos continuar avançando na questão econômica, mas sem comprometer o sistema de saúde e a vida das pessoas“, explica o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

A festa foi interditada e autuada e os responsáveis responderão administrativamente ao Procon-PE, podendo pagar multa entre R$ 1.050 a R$ 9 milhões. A ação contou com o apoio da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar.