Ceclin
mar 13, 2009 0 Comentário


TSE: Paulo Rubem 7 x 0 PT

Publicado em 13.03.2009

Por unanimidade, deputado federal conseguiu manter seu mandato, vencendo batalha jurídica com seu ex-partido, que pedia a sua cassação
Após mais de um ano de disputa, o deputado federal Paulo Rubem Santiago (PDT) venceu a batalha contra sua ex-legenda, o Partido dos Trabalhadores, e conseguiu manter seu mandato. O julgamento do processo, que começou a ser analisado em maio de 2008, foi retomado ontem à noite no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o pedido do PT, que solicitava a decretação da perda do mandado do parlamentar pernambucano, foi negado por unanimidade, com sete votos a zero a favor do congressista.
Aliviado, Paulo Rubem desabafou após o julgamento, em contato telefônico com o JC. “Acho que se fez justiça. Se eu errei foi em ser transparente. Nunca me curvei diante das situações e está provado que quem vota num candidato vota por identidade”.
O deputado disse que se sente aliviado com o resultado e fez uma ressalva: não foi ele que foi julgado. “Nunca perdi o diálogo com o PT, mas o resultado mostra que quem foi julgado foi o PT. Não me arrependo de nenhuma das posições que tomei. Este resultado fortalece a coerência, algo que é muito importante na política. Estou muito feliz. O processo estava causando muito desgaste a mim e à minha família. Agora posso voltar a me preocupar apenas com o meu mandato”, desabafou.
O pedido de cassação do mandado de Paulo Rubem foi feito em novembro de 2007 pelo PT. De acordo com a legenda, o deputado – eleito em outubro de 2006 pelo Partido dos Trabalhadores, migrando posteriormente para o PDT devido a divergências internas – comunicou sua desfiliação do seu partido de origem de setembro de 2007, após a decisão do TSE de que os mandatos referentes a cargos proporcionais pertencem aos partidos políticos. Segundo o ministro do TSE Arnaldo Versiani, cujo voto-vista foi lido ontem à noite, “o deputado não desertou de seus ideais, quem desertou foi o partido”. De acordo com a decisão final dos ministros, houve perseguição a Paulo Rubem.
CLODOVIL
Quem também pode comemorar a manutenção de seu mandato é o deputado federal Clodovil Hernandes (PR-SP). Por unanimidade, o TSE decidiu que o parlamentar não pode perder o mandato por ter se desfiliado do PTC. Para os ministros, houve grave discriminação pessoal ao parlamentar, o que justifica a mudança de partido. Clodovil foi eleito pelo PTC em 2006, mas se filiou ao PR depois do prazo fixado pelo TSE sobre fidelidade partidária.
(Jornal do Commercio).