• Ceclin
jun 06, 2019 0 Comentário


Teresa Leitão cobra resposta do Estado à pauta de reivindicações do Sintepe

QUEIXA – De acordo com a parlamentar, não tem havido avanços nas discussões da campanha salarial, nem mesmo com relação à pauta pedagógica. Foto: Roberto Soares/Alepe

QUEIXA – De acordo com a parlamentar, não tem havido avanços nas discussões da campanha salarial, nem mesmo com relação à pauta pedagógica. Foto: Roberto Soares/Alepe

A deputada Teresa Leitão (PT) foi à tribuna, na Reunião Plenária da quarta-feira (05/6), cobrar uma resposta do Governo do Estado à pauta de reivindicações, apresentada em março, pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe). De acordo com a parlamentar, não tem havido avanços nas discussões da campanha salarial, nem mesmo com relação à pauta pedagógica, que reúne pontos que não trazem impacto financeiro para o Poder Executivo.

“Há pautas do Sindicato, como a elaboração de um decreto de liberdade de cátedra e a implantação de uma política de prevenção e superação de conflitos nas unidades educacionais, que não exigem um tostão de investimento, apenas vontade política”, afirmou a deputada. Outros pontos da pauta pedagógica do Sindicato citados foram a reformulação da lei que dispõe sobre a gestão democrática na rede estadual de ensino, a participação da categoria na definição das políticas educacionais e a revisão do Programa de Educação Integral do Estado, que completou dez anos.

Ainda com relação à pauta pedagógica formulada pelo Sintepe, Teresa citou os pleitos pelo retorno da obrigatoriedade do ensino da Língua Espanhola e pela avaliação do Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). “São pontos que não custam dinheiro nem contradição política, pois são coerentes com a posição que o Governo do Estado vem assumindo com relação à educação. No entanto, também não têm tido resposta”, acrescentou.

“O Sindicato pede, ainda, atenção do Governo para o Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado (Sassepe). Com a crise econômica e a retirada dos direitos, muitos trabalhadores estão deixando os planos de saúde para recorrer ao sistema e é preciso olhar para a rede conveniada e para as agências do Interior”, pontuou a parlamentar, que também cobrou investimentos para a formação continuada dos professores, suspensa pelo Executivo.

Piso – Sobre a campanha salarial, a petista informou que o pleito da categoria é que o Governo do Estado implante mais rapidamente o novo valor – definido pelo Governo Federal em janeiro – aos servidores do Estado. “Os que ganham acima do piso costumam receber o reajuste a partir de outubro e sem retroativo, ou seja, fazem jus ao valor correto apenas por quatro meses, quando novamente se altera a lei do piso”, explicou.

A reformulação do quadro de cargos e carreiras e o ressarcimento do valor descontado indevidamente dos professores aposentados que seguem na ativa ao fundo Financeiro de Aposentadorias e Pensões dos Servidores de Pernambuco (Funafin) também constam na pauta. “Essas são as principais reivindicações da categoria, que se reunirá em assembleia no próximo dia 11. Se não houver uma resposta do Executivo até esta data será muito ruim para o Governo”, concluiu.