• Ceclin
jun 21, 2019 0 Comentário


Só em 2019, três prefeitos pernambucanos foram afastados

Os três afastamentos aconteceram nos seis primeiros meses deste ano. Fotos: Divulgação

Os três afastamentos aconteceram nos seis primeiros meses deste ano. Fotos: Divulgação

Além de Demóstenes Meira, prefeito de Camaragibe, os gestores de Cedro e Palmares também foram afastados

Jornal do Commercio 

Com a prisão e o afastamento do prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), na quinta-feira (20/6), chegam a três os afastamentos de gestores pernambucanos os seis primeiros meses de 2019. Além do petebista, foram afastados o prefeito de Palmares, na Mata Sul, e o de Cedro, no Sertão do Estado. O gestor de Abreu e Lima, no Grande Recife, recebeu o pedido de afastamento do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), no fim do último mês de maio, mas não chegou a ser afastado do cargo.

Na quinta (20), Meira foi preso e afastado do cargo por ser alvo de organização criminosa, fraude em licitação, corrupção e lavagem de dinheiro.

No caso de Palmares, o motivo do afastamento de Altair Júnior (MDB) foi improbidade administrativa, ou seja, quando um gestor comete um ato ilegal ou contrário aos princípios básicos do Poder Público. O caso ocorreu em 27 de fevereiro deste ano, por uma aprovação unânime da Câmara Municipal e teve duração até o dia 7 de março, quando a terceira Vara Cível da Comarca de Palmares concedeu uma liminar determinando que o prefeito do município retornasse ao cargo.

Já o prefeito de Cedro, Antônio Inocêncio Leite (PR), segundo as investigações da Polícia Federal (PF), utilizava um “laranja” para vencer processos de licitação ou dispensá-los indevidamente para empresas de fachada. A medida foi cumprida no último dia 18) pela Delegacia de Polícia Federal.