• Ceclin
out 29, 2018 0 Comentário


SINTEPE: Sem Censura

Direito-UFF-Rio-de-Janeiro

Estamos diante de um assombroso quadro político de censura às liberdades de expressão, de cátedra, de pensamento, ao conhecimento e ao saber.

Policiais e fiscais de tribunais eleitorais invadiram universidades e sindicatos de professores de todo País na noite da ultima quinta-feira (25/10). Além de ações comandadas por TRE’s, sob pretexto de identificar e recolher materiais “irregulares” de campanha, outras, porém, foram desencadeadas por policiais, sem nenhum mandado judicial.

Segundo relatos, agentes entraram nos locais, retiraram faixas, apreenderam cartazes e intimidaram as pessoas, interrompendo debates e aulas. Ao menos 27 Instituições de Ensino Superior tiveram as suas dependências invadidas.

No Rio de Janeiro, a Justiça ordenou a retirada de uma bandeira onde estava escrito “Direito da UFF Antifascista”, da fachada da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense. Em protesto, os estudantes puseram no mesmo local uma faixa com a palavra: “Censurado”.

Na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, faixas em homenagem à vereadora Marielle Franco, com a inscrição “Direito UERJ Antifascismo”, foram retiradas sem mandado judicial.

Na Paraíba, juiz eleitoral mandou recolher o “Manifesto em Defesa da Democracia e da Universidade Pública”, assinado pela Associação Docente da Universidade Federal de Campina Grande.

Em uma universidade pública do Pará, quatro policiais militares em dois carros entraram no campus para questionar o Professor Mário Brasil sobre a sua ideologia, de acordo com um relato. Isto aconteceu após abordagem do tema Fake News em uma aula da disciplina “Mídias Digitais”, quando uma estudante teria se sentido ofendida, alegando “doutrinação marxista” e telefonado para o seu pai, soldado da PM.

Essa situação é perigosíssima porque representa um duro golpe na autonomia universitária, algo que só vimos na ditadura Civil-Militar. É bom lembrar, ainda, que custou-se para que eles invadissem as universidades naquele período, o que já parece ser uma tentativa de antecipação dos fatos.

As tentativas de censura nas universidades possuem ligação estreita com o movimento “Escola ‘sem’ Partido” – que busca silenciar as comunidades acadêmicas, numa afronta direta ao Estado democrático e de direito. Isto merece, enquanto representantes dos trabalhadores em Educação, o nosso firme repúdio, pois já sabemos onde e como isso pode acabar.

Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco – SINTEPE