• Ceclin
jan 21, 2019 0 Comentário


SINTEPE: Educação para diminuir a violência

alunos de EscadaO Atlas da Violência 2018 apresenta dados alarmantes do quanto se mata e se morre no Brasil por motivos banais e evitáveis. Em 2016, o Brasil alcançou a marca vergonhosa  de 62.517 homicídios. Mais grave ainda ao analisarmos esses números é que a maioria dessas vítimas são jovens pobres, negros e residentes no Norte e Nordeste brasileiro.

O Atlas também adverte que, no lado diametralmente oposto à violência, está a Educação como solução forte e perene para o problema da violência. E em um País com uma criminosa dívida social, agravada pela diferença regional entre os Estados do Sul/Sudeste e Norte/Nordeste, educação de qualidade e em escala para enfrentar o desafio da violência, só com muito investimento público. Por isso o Sintepe não abre mão da luta pelo Fundeb, pelo Piso do Magistério, por autonomia financeira e democracia nas escolas.

O documento produzido pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) cita diversas metas relacionadas à Educação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas (ONU), como solução para a violência.

Ao contrário do que a ignorância de plantão prega em  redes sociais, fortes políticas públicas de inclusão não têm nada a ver com “comunismo” ou “ideologia de esquerda”. Ao contrário, em países bem capitalistas da Europa, onde a Educação é pública, inclusiva, de qualidade e oferecida ao longo da vida das pessoas, pouquíssima gente morre por armas de fogo e as prisões estão sendo reutilizadas para outras finalidades que não a de punir criminosos, por causa de baixa população carcerária.

Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco – SINTEPE