Ceclin
mar 16, 2011 2 Comentários


Sindvisa responde aos ataques do Sinpro/PE

Em entrevista concedida antes do Carnaval ao Programa A VOZ DA VITORIA pela Tabocas FM (98,5), o Diretor do Sindicato dos Professores em Pernambuco (SINPRO), Jackson Bezerra, denunciou que duas integrantes do Sindicato dos Servidores Municipais da Vitória de Santo Antão (Sindvisa), estariam recebendo “honorários” irregulares dos professores que acabaram de receber Precatórios retidos desde 1989 oriundos da Prefeitura da Vitória de Santo Antão.

O Sinpro alertou da suposta irregularidade, afirmando que convocaria uma Assembleia Geral dos Professores vitorienses para a reorganização da base e que levaria este caso à Justiça, acusando a Profa. Roseane e Terezinha de embolsarem comissões dos professores contemplados pelos Precatórios.

Em resposta na manhã desta quarta-feira (16), a Profa. Roseane acompanhada de sua advogada, Iara Gouveia, rebateu as acusações do diretor do Sinpro e explicou que o caso simplesmente se baseava em serviços prestados aos contemplados.
“Os professores que tinham direito em receber os resíduos salariais à época assinaram um Termo de Compromisso conosco no sentido de agilizarmos toda a burocracia que envolve estes processos judiciais”, explicou Roseane mostrando ao apresentador Lissandro Nascimento os documentos protolocados em Cartório no início da década de 1990.

“Prestamos um serviço aos que concordaram que nós cuidássemos destes Precatórios e que portanto havíamos combinado um valor por este acompanhamento, já que na época do governo do ex-prefeito Ivo Queiroz, não tínhamos um sindicato formalizado”, ressaltou a diretora fundadora do Sindivisa.

A ex-vereadora e advogada, Iara Gouveia, saiu na defesa de ambas professoras, lembrando que no mandato como parlamentar acompanhou todo o processo salarial dos professores da Prefeitura da Vitória. “A categoria tinha o direito de receber dois salários mínimos, e o finado Ivo Queiroz relutava em não pagar. Acionamos a Justiça e conseguimos. Foi a partir disso que o Sindicato local foi criado”, contou.

Iara Gouveia explicou que estes Precatórios pagos a dezenas de professores e a seus herdeiros pela Prefeitura da Vitória, foi devido ao fato de haver diferenças salariais em lei não pagos devidamente naqueles anos, pelo qual estes resíduos foram calculados e a Justiça determinou o resgate e pagamento destes.

por Lissandro Nascimento.