• Ceclin
abr 15, 2019 0 Comentário


SINDSEP-PE: Cem dias do desgoverno Bolsonaro

Ilustração: Lézio Júnior

Ilustração: Lézio Júnior

Na última quinta-feira, dia 11 de abril, o governo do Jair Bolsonaro (PSL) completou cem dias. São mais de três meses de desgoverno. O saldo é tão negativo que pesquisas divulgadas na semana passada apontam que essa é a pior gestão da história, considerado esse mesmo período de governos anteriores. Para coroar o desastre da administração Bolsonaro, o governo publicou, no dia 11, um decreto que extingue os conselhos de controle social de políticas públicas, excluindo a participação da sociedade civil nas instâncias da administração pública.

Em uma das primeiras viagens ao Exterior, Jair Bolsonaro se reuniu com o presidente Donald Trump, a quem demonstrou idolatria e praticamente entregou a Base de Alcântara, no Maranhão, para exploração dos Estados Unidos. Ele assinou um termo de permissão para que americanos tenham acesso ao Brasil sem visto, sem que o mesmo aconteça com os brasileiros nos Estados Unidos; declarou apoio do Brasil à intervenção na Venezuela; sem falar da intenção de permitir a exploração   da Amazônia pelos EUA, comprometendo de morte a soberania nacional.

Na Educação, o governo também teve um desempenho desastroso. Começando pelas várias trapalhadas do primeiro ministro escolhido por Bolsonaro para a área, Ricardo Vélez Rodrigues. Em apenas três meses, o então ministro chamou o brasileiro de ladrão e canibal, quando em viagem; disse que iria mudar os livros didáticos para que o Golpe de 1964 passasse a ser contado de forma inverídica; tentou obrigar os alunos de escolas públicas a cantarem o Hino Nacional e saudarem o slogan da campanha de Bolsonaro, entre outras mediocridades. Diante do caos, o ministro caiu e foi nomeado Abraham Weintraub, outro conservador, que já deu sinais de xenofobia em relação ao Nordeste, ao afirmar que as disciplinas de Filosofia e Sociologia não precisariam ser ensinadas na região, mas sim agronomia.

O governo apresentou a pior reforma da Previdência da história, que acaba de vez com aposentadoria dos trabalhadores, sendo ainda mais cruel com mulheres, agricultores e professores. Na segurança pública, ofereceu um pacote que criminaliza a pobreza e autoriza o extermínio da população negra. O maior exemplo foi o assassinato de um homem com 80 tiros disparados pelo Exército, no Rio de Janeiro, na semana passada.

Como vemos, são cem dias de desgoverno. Nada a comemorar. Nos resta resistir para mudar esse quadro de retrocessos.

Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco – SINDSEP-PE.