Ceclin
maio 03, 2016 0 Comentário


Santa Cruz e Sport chegam fortes na final do Estadual

 Pela 24ª vez, Sport e Santa Cruz vão se enfrentar na decisão do Estadual. Nas outras 23 ocasiões, foram 12 títulos para o rubro-negro contra 11 triunfos do tricolor.

Pela 24ª vez, Sport e Santa Cruz vão se enfrentar na decisão do Estadual. Nas outras 23 ocasiões, foram 12 títulos para o rubro-negro contra 11 triunfos do tricolor.

Equipes fazem o primeiro jogo, nesta quarta-feira (04), no Arruda

O Pernambucano Celpe A1 chega à sua reta final e pela 24ª vez, Sport e Santa Cruz vão se enfrentar na decisão do Estadual. Nas outras 23 ocasiões, foram 12 títulos para o rubro-negro contra 11 triunfos do tricolor. Depois de passarem por Salgueiro e Náutico nas semifinais, os rivais começam a batalhar rumo ao título, nesta quarta-feira (04). Com duas vitórias, cinco empates e três derrotas, o Santa Cruz conseguiu sua vaga no Hexagonal apenas na última rodada, mas de lá para cá o time Coral começou uma arrancada incrível, principalmente após a chegada do técnico Milton Mendes, que colocou a equipe do Arruda nos trilhos, devolvendo o bom futebol e a alegria aos torcedores.

Na semifinal, nada mais, nada menos que o time de melhor campanha pela frente. O Náutico. A equipe deu a volta por cima, venceu os dois embates diante dos alvirrubros e chega forte em busca do seu 29º título Estadual. Motivação para o Clássico das Multidões não vai faltar para os atletas tricolores. A equipe vem de uma conquista inédita, no último domingo (01), quando empatou com o Campinense-PB e ficou com o caneco da Copa do Nordeste 2016. Autor de oito gols neste ano, sendo três deles no Pernambucano Celpe A1, Grafite é a aposta de gols dos corais.

Dono da terceira melhor campanha do Hexagonal do Título, com 17 pontos ganhos em cinco vitórias, dois empates e três derrotas, o Sport chega forte na final do Estadual, após eliminar o Salgueiro, que vinha dificultando os duelos contra o Leão nos últimos anos. O detentor de 40 títulos pernambucanos espera repetir as boas atuações que teve contra o mesmo Santa Cruz na primeira fase, onde venceu na Ilha por 2 x 1 e empatou, no Arruda, pelo placar de 1 x 1, para ficar com a taça.

Oswaldo de Oliveira, que chegou na última semana para assumir o comando do time, vem aproveitando o máximo o tempo que o elenco teve sem jogar para ajustar a equipe para o primeiro jogo da final. E o novo comandante rubro-negro vai poder contar com um reforço importante contra o arquirrival. O atacante Túlio de Melo, artilheiro da equipe no Estadual, ao lado de Reinaldo Lenis com três gols, se recuperou das dores no joelho e está à disposição do técnico. Santa Cruz e Sport começam a disputar a final do Pernambucano Celpe A1, nesta quarta-feira (04), às 21h45, no Estádio do Arruda. A partida de volta, está marcada para o domingo (8), às 16h, na Ilha do Retiro.

Primeiro jogo: Sport x Santa Cruz 

O Clássico das Multidões foi disputado pela primeira vez em 6 de maio de 1916, em um amistoso no antigo campo do British Club. Ainda sem a tradicional alcunha, que surgiria só na década de 1940, mas já como destaque entre os interessados pelo novo esporte, dando início a uma das maiores rivalidades do país, com mais de 540 partidas em cem anos.

Abaixo, a íntegra da reportagem sobre o pioneiro confronto entre Sport e Santa Cruz, publicada no Diario de Pernambuco dois dias depois. A primeira impressão é de um texto repleto de erros (trenos, annunciado, defezas, logar), mas era a grafia da época, também pontuada por inúmeras expressões em inglês para descrever o “football”.

O jogo, com vitória leonina por 2 x 0, aconteceu logo após a inscrição do uniforme coral do Santa na liga, em 26 de março de 1916. Até então, o clube jogava de alvinegro, enquanto os rubro-negros ainda usavam o vertical, reeditado em 2015. Já o Náutico já tinha o alvirrubro com listras verticais.

Foot-ball
Os trenos entre os clubs da Liga Pernambucana
Sport versus Santa Cruz Como fôra annunciado, realizou-se na tarde de ante-hontem o treno entre os primeiros teams do Sport Club do Recife, da divisão B, e o Santa Cruz F. C., da divisão A. O team rurbro-negro entrou em campo desfalcado apenas de Genaro, out-side left, sendo substituído por J. Reynolds, half left. Nesse logar jogou Leite, do 2º team. O conjunto tricolor apresentou-se sem o back A. Reis e sem o center forward José Tasso, que foram respectivamente substituídos por Nelson e Martiniano, do 2º team.

O jogo foi rápido e bastante animado, notando-se no entanto ao terminar, uma certa falta de coragem por parte do team do Santa Cruz, por outro lado notou-se a actividade extraordinária do center do Sport, Briant, que na nossa opinião continua a se collocar no primeiro plano entre os nossos players atacantes. Dois fortíssimos shoots seus corresponderam a dois goals marcados para a sua equipe. O back santacruzense Mangabeira defendeu seu posto na altura. Ilo fez, como sempre, boas defezas. Nunca julgamos, no entanto, que deixasse passar aquelle primeiro shoot de Briant.

O jogo poderia ter tido o resultado de 2 a 1 si o referee Arruda tivesse visto a bola tocada pelo keeper do Sport, Cavalcanti, no goal marcado pelo Santa Cruz. Si Arruda visse, podemos afirmar, daria goal. O Sport envida todos os esforços para infligir a derrota no Club Náutico. Inflingirá? Só poderemos responder no dia deste, data marcada para o melhor match deste anno: Náutico versus Sport.