Ceclin
maio 25, 2009 8 Comentários


Salários na rede educacional de Pernambuco é discussão acadêmica

Mazurkyewson Pereira Gomes*
Ricardo André de Sousa Carvalho**
Jailson Ribeiro de Oliveira***

Quando se fala da importância da Gestão de Pessoas, a remuneração estratégica, é parte preponderante para o alcance de objetivos na gestão educacional do Estado de Pernambuco. É preciso identificar os limites e possibilidades de implantação de um sistema de remuneração estratégica, enfatizando a relação capacidade e produtividade, a motivação, a valorização do servidor, a economia de recursos e a retenção de talentos.
Discute-se a reformulação do Plano de Cargos Carreiras e Vencimentos (PCCV), como pré-requisito na construção do planejamento estratégico do Estado, visando a otimização do serviço público, tendo em vista os resultados satisfatórios da prestação de serviço e atendimento das necessidades dos servidores públicos e do cidadão.

Estudos têm demonstrado que existem problemas políticos, burocráticos e de legislação que restringem e/ou prejudicam o sistema de remuneração e benefícios no setor público, onde nem sempre são beneficiados os servidores que merecem, em detrimento de indicações políticas, promoções sem merecimento ou competência exigida para o cargo.

Conclui-se que a remuneração estratégica importada do setor privado para o público esbarra em impasses e limites legais para sua implantação, bem como aponta alguns riscos como a falta de motivação aos não contemplados, destacando que mesmo com a introdução do sistema, o servidor deve sempre se capacitar galgando o enquadramento no PCCV, do contrário permanecerá no sistema funcional de remuneração.

Nos dias atuais o Governo do Estado tenta diminuir estes lapsos com capacitações e valorização de professores como o projeto Professor Conectado que premia apenas professores e não educadores de forma geral com um notebook, excluindo deste modo técnicos educacionais, auxiliares e assistentes administrativos educacionais.

por Mazurkyewson Pereira Gomes* e
Ricardo André de Sousa Carvalho*

OS IMPASSES E POSSIBILIDADES DA REMUNERAÇÃO FUNCIONAL X REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA NA GESTÃO EDUCACIONAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO.

* Pós-Graduado em Pedagogia: Gestão e Planejamento Escolar, Faculdade Escritor Osman da Costa Lins – FACOL, Graduado em Administração de Empresas – Faculdade de Ciências da Administração de Limoeiro, FACAL– mazurkygomes@hotmail.com
** Mestrando em Admninstração de Empresas, pela Universidad de La Empresa – UDE – UY, Especialização em Pedagogia: Gestão e Planejamento Escolar, Faculdade Escritor Osman da Costa Lins – FACOL, Graduado em Administração de Empresas com Habilitação em Marketing – Faculdade Osman da Costa Lins – FACOL.

*** Professor Orientador. Administrador pela Universidade Federal da Paraíba (2001), Especialista em Tecnologia Cervejeira pela IHK/Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas do Senai RJ (1998) , Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal da Paraíba (2005); jailsonribeiro@gmail.com