Ceclin
maio 20, 2009 2 Comentários


Sadia e Perdigão criam líder mundial


SECCHES e Furlan fizeram anúncio ontem pela manhã


SÃO PAULO (Folhapress e AE) – A fusão entre Sadia e Perdigão, que resultou na criação da Brasil Foods (BFR), dá origem a uma “grande multinacional brasileira’’, anunciaram ontem o presidente da Perdigão, Nildemar Secches, e o presidente do Conselho de Administração da Sadia, Luiz Fernando Furlan.
O acordo foi assinado na noite da última segunda-feira e anunciado ontem de manhã ao mercado. “É uma grande multinacional brasileira de alimentos brasileiros processados’’, definiu Secches em entrevista coletiva, em São Paulo, concedida para explicar os detalhes do negócio. Pelo acordo fechado, 68% do capital da nova empresa ficará com acionistas da Perdigão e 32% com acionistas da Sadia.

No processo de fusão previsto, a Perdigão muda de nome para BRF e a Sadia para HFF, e, em seguida, ocorre a incorporação das ações da HFF pela BRF. Os Conselhos de Administração das duas empresas serão formado pelas mesmas pessoas, e o presidente de uma será co-presidente da outra – ou seja, o controle será dividido entre Secches e Furlan. Segundo o comunicado, o acordo foi aprovado pelos Conselhos de Administração das duas empresas e ainda precisa passar por adesão dos acionistas de ambas.
A união dá origem à maior processadora de carne de frango do mundo em faturamento. A nova empresa nasce com uma receita líquida anual aproximada de US$ 9,5 bilhões, acima do faturamento da líder mundial no segmento de aves, a norte-americana Pilgrim’s Pride, que obteve faturamento de US$ 8,3 bilhões no ano passado. Será a décima maior empresa de alimentos das Américas e segunda maior indústria alimentícia do Brasil (atrás apenas do frigorífico JBS Friboi). A nova empresa será a terceira maior exportadora brasileira (atrás da Petrobras e da mineradora Vale).
De acordo com dados da consultoria Nielsen referentes a 2008, Sadia e Perdigão, juntas, respondem por aproximadamente 80% do mercado brasileiro de produtos congelados, 57% do segmento de industrializados de carne e 67% das vendas de margarinas. Nas vendas externas de carne de frango, a fatia da companhia será de 52%, em volume. Nas exportações de suínos, a participação será de 42%. Com cerca de 119 mil funcionários, 42 fábricas e mais de R$ 10 bilhões em exportações por ano (cerca de 42% da produção), a gigante surge com um faturamento anual líquido de R$ 22 bilhões. (Folha de Pernambuco).