• Ceclin
mai 06, 2009 6 Comentários


Respeito faz bem

Qualquer um está sujeito a doenças. Seja um cidadão comum, uma personalidade do meio artístico, político, de qualquer raça ou classe social. Consultórios, laboratórios e hospitais diagnosticam diariamente os mais variados tipos de enfermidades. É o caso da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que descobriu sofrer de um câncer no sistema linfático. O lamentável no caso em questão é que o anúncio da doença tenha detonado toda sorte de especulação através da mídia sobre o seu futuro político. E nem sempre de forma respeitosa.
Logo após o anúncio da doença, o noticiário político ficou abarrotado de comentários que decretavam o enterro da candidatura da ministra à presidência da República.

Depois, ante a notícia de que a doença pode não ser tão grave, Dilma Rousseff foi acusada de tentar se promover no episódio, ainda que o assunto tenha virado pauta nacional à revelia da paciente. Num debate indesejável, precipitado e ruim para a democracia.
Como bem disse a ministra, este é um tema sobre o qual não se deve polemizar.
Principalmente porque pacientes, independente da enfermidade que sofram, merecem respeito.
Ser uma personagem pública, cotada à sucessão do presidente Lula, naturalmente amplia o foco dos holofotes. Mas é preciso tratar a questão com zelo, afinal somente o tratamento médico – que inclui quatro meses de quimioterapia – vai poder nortear os passos de Dilma Rousseff, seja na vida pessoal ou política.
Endosso as palavras da ministra de que a doença não pode se transformar em espetáculo para a mídia. Tampouco em moeda de especulação para urubus de plantão no cenário político.
Mesmo para aqueles que militam em lados opostos ao da ministra, o indicado é solidarizar-se e desejar que ela supere de fato a doença e se restabeleça.
Independente do jogo político.
Com enfermidade, especialmente o câncer, não se brinca. E é isso que a ministra vem fazendo, lutando para debela-lo. Num grande exemplo de que não somos onipotentes.

por Isaltino Nascimento,
deputado estadual pelo PT e líder do governo na Assembleia Legislativa de Pernambuco.