Ceclin
nov 20, 2014 0 Comentário


Repensando 2014, por Hely Ferreira

Socialistas estão órfãos de liderança política; de alguém que possua densidade no âmbito nacional

Por Hely Ferreira

Historicamente o PSB sempre caminhou ao lado do PT, exceto quando da candidatura de Antony Garotinho. Mas no ano em curso, os socialistas acreditaram na possibilidade que seria possível surgir uma terceira via, visando romper com a polarização entre o PT e o PSDB. Até aí, nada de anormal já que todo partido político busca o poder. Acontece que a morte repentina do candidato socialista, proporcionou uma nova leitura no cenário eleitoral, onde a comoção nacional produziu temporariamente um índice de intenção de voto na candidata que sucedeu o falecido.

Em Pernambuco, naturalmente a comoção obteve maior durabilidade, ao ponto que, a candidata do PSB foi a mais votada no primeiro turno e por tabela, o candidato ao Palácio do Campo das Princesas saiu beneficiado com o cenário enlutado. Mas a eleição presidencial indo para o segundo turno, fez com que o Partido Socialista Brasileiro optasse pela candidatura do PSDB. Sem seu líder mor, alguns atores partidários resolveram assumir o papel de sucessor direto do ex-governador Eduardo Campos. Acontece que esqueceram, ou não sabem que essas coisas não são fabricadas no laboratório de Aldous Huxley.

Desconsiderando a vontade popular, embora se aposse da terminologia, sofreram uma derrota acachapante no Estado e em especial na capital, vez que, o chefe do poder executivo municipal, de maneira explícita assumiu o papel de cabo eleitoral do ex-governador mineiro. Com o resultado adverso ao esperado das urnas, é necessário repensar as decisões tomadas. Basta lembrar que os socialistas estão órfãos de liderança, principalmente de alguém que possua densidade no âmbito nacional. Algo desafiador já que nem mesmo em Pernambuco conseguem apresentar alguma figura emblemática que consiga pelo menos unir o partido e ao mesmo tempo se fazer ouvir no âmbito nacional.

Por Hely Ferreira,

Cientista Político.