• Ceclin
jul 08, 2019 0 Comentário


Reforma da Previdência vai ao Plenário. Dia 12, trabalhadores fazem ato nacional

Reforma da Previdência Comissao

Depois de 16 horas de discussão, a comissão especial da reforma da Previdência da Câmara concluiu na madrugada da última sexta-feira (05/7) a votação do parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB) e aprovou as propostas de mudanças nas regras de aposentadoria. O texto-base, que continua muito cruel com os trabalhadores, teve 36 votos favoráveis e 13 contrários.

Dos deputados pernambucanos que integram a Comissão, votaram a favor da reforma: Fernando Rodolfo (PL) e Silvio Costa Filho (PRB). Apenas Carlos Veras (PT) votou contra o projeto que irá condenar milhões de trabalhadores ao desamparo e à falta de perspectiva para se aposentar. Agora, o texto segue para o Plenário e poderá ser votado ainda nessa semana.

Enquanto isso, as centrais sindicais convocam todos os trabalhadores para a mobilização nacional contra a reforma que acontecerá no próximo dia 12 de julho (sexta). Além de impossibilitar a aposentadoria de muita gente, a reforma diminuirá muito o valor pago aos que conseguirem se aposentar. Os servidores públicos terão uma série de desvantagens. Entre elas, o tempo de contribuição. Enquanto os trabalhadores da iniciativa privada deverão contribuir por 20 anos (homens) e 15 anos (mulheres), os servidores continuam com o tempo de 25 anos para homens e mulheres. Mas para receber o valor integral de seus salários, terão que trabalhar por mais anos. Alguns até 75 anos.

“Queremos debater o financiamento da seguridade social, mas não esse ataque. Antes, o governo deve discutir uma reforma tributária, com taxação de grandes fortunas e
heranças, além de cobrar dos devedores. Devemos nos mobilizar”, disse o coordenador geral do Sindsep, José Carlos de Oliveira.

Além das mudanças atuais, em seu relatório, Samuel Moreira mantém a possibilidade de o governo fazer modificações futuras na Previdência Social através de leis complementares. Ou seja, o governo terá muito mais facilidade para promover mudanças que prejudiquem os trabalhadores, o que representa uma afronta à Constituição Federal e um perigo iminente a todos.

Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco – SINDSEP-PE