Ceclin
ago 07, 2020 0 Comentário


Rede de Mulheres Negras promove ações assistenciais em Vitória de Santo Antão

O Núcleo vitoriense da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco promoveu recentemente a distribuição de 50 cestas de alimentos e materiais de limpeza e de higiene pessoal para 50 mulheres negras moradoras das comunidades periféricas do Alto do Reservatório e Rua Primitivo de Miranda, ambas na área central da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata. Nessas duas comunidades residem cidadãos em situação de vulnerabilidade social, os quais têm passado por grandes dificuldades para manter com dignidade suas famílias, em especial as mulheres que em inúmeras situações assumem o papel de chefe principal do grupo familiar.

A Rede de Mulheres Negras de Pernambuco é uma organização política não-formalizada, sem fins lucrativos e sem filiação partidária, composta por mulheres negras de diferentes setores da sociedade, possuindo Núcleos nas quatro grandes regiões do litoral ao sertão do Estado. O coletivo foi criado a partir da culminância da Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver, realizada em Brasília, em 18 de novembro de 2015, e de uma Marcha em Recife, que ocorreu em 9 de dezembro de 2015.

A Rede se constituiu a partir do grupo de mulheres que construiu o processo e instituiu o Comitê Impulsor local, que culminou com a criação da REDE DE MULHERES NEGRAS DE PERNAMBUCO, pelo qual integra cerca de 100 componentes, objetivando o combate ao racismo e ao sexismo, promovendo iniciativas de valorização da presença e da contribuição das mulheres negras em todas as esferas da sociedade, com vistas a colaborar para a superação das desigualdades raciais, de gênero e de classe. Os três principais valores da Rede são: Ancestralidade, Identidade e Resistência.

Segundo o coletivo, ‘Ancestralidade’ porque hoje dar-se continuidade a uma luta que foi iniciada por mulheres negras no passado, entendendo que a herança de sabedoria, visão de mundo e luta por equidade e liberdade que elas deixaram como legados se refletem nas lutas de hoje e isso as fortalece.

Por sua vez, ‘Identidade’ em razão de acreditar-se que só a partir de uma firmação positiva de identidade como pessoas negras, especialmente mulheres negras, é que fortalece essa luta popular. Ainda segundo o coletivo, valorizar a identidade das mulheres negras é uma estratégia fundamental na luta contra o racismo e o sexismo.

Por último, a ‘Resistência’ porque esta é uma palavra e um conceito que resume aquilo que tem sido a trajetória histórica e as lutas no Brasil e na diáspora desde sempre.

A Rede atua também em parceria com organizações e coletivos de juventude negra, organizações negras de base comunitária, organizações e grupos de mulheres negras. Elas realizaram nos últimos três anos uma ampla agenda de atividades do ‘Julho das Pretas em Pernambuco’; ainda em 2019 realizou-se a campanha “Mulheres Negras pela Vida”, em parceria com a FASE-PE, tendo como tema central o enfrentamento à violência contra mulheres negras. Essa campanha foi feita através de diferentes peças gráficas: adesivos, cartazes diversos, faixas e folhetos com dados sobre a violência contra mulheres negras, assim como peças para redes sociais como Instagram, Facebook e WhatsApp, quando inclusive, o Núcleo de Vitória de Santo Antão fez o lançamento na Faculdade Novo Horizonte, Centro de Vitória, bem como na Praça da Matriz, com a Exposição de ‘manequins pretos’ com vestidos de diferentes cores, além de cartazes em tecidos aplicados na frente dos vestidos com dados/estatísticas sobre a violência contra a mulher negra e sua resistência histórica.

Para melhor conhecer a Rede pode-se acessar sua Página no Facebook clicando AQUI