• Ceclin
jan 15, 2009 2 Comentários


Rapidinhas Esportivas

No Carneirão
Vitória e Sete ficam no empate
Terminou em confusão o jogo disputado ontem à noite no estádio Carneirão. Tudo por causa do gol marcado por Sandro Miguel, de pênalti, aos 48 minutos do segundo tempo, empatando a partida para o Acadêmica Vitória contra o Sete de Setembro, que vencia a partida por 1 x 0.
O árbitro Eduardo Alcântra teve bastante trabalho para conter a ira dos jogadores setembrinos, que ficaram em 8° lugar após o 1 x 1 em Vitória de Santo Antão. Com o resultado, os dois times somam apenas um ponto no Estadual.
De qualquer forma, esse foi o primeiro ponto da história da estreante Acadêmica Vitória na 1ª divisão pernambucana (o time está na 9ª posição). Ontem, o Sete foi superior ao Vitória, repetindo o bom futebol apresentando no último domingo, quando vendeu caro a derrota para o Santa Cruz.Apesar do maior volume de jogo, o gol do Guará de Garanhuns saiu somente aos 38 minutos do segundo tempo, através de Nando. Depois do gol, o Alviverde recuou, cedendo espaço à Acadêmica, que acabou conseguindo um pênalti nos minutos finais.
Sandro Miguel bateu bem e fechou o placar. O Sete de Setembro voltará a jogar em casa no domingo, diante da Cabense, no Gigante do Agreste. Enquanto isso, o Vitória tentará a primeira vitória contra o Ypiranga, fora de casa.

NAUTICO

Foi suado, mas o Náutico conseguiu arrancar, nos minutos finais, a sua primeira vitória no Estadual 2009, ontem, por 1×0, diante do Serrano, em Serra Talhada. Com o atacante Gilmar tendo sido o salvador da pátria e autor do único gol do jogo, o Timbu garantiu os três preciosos pontos na classificação e chegou ao terceiro lugar do primeiro turno, ao lado da Cabense, com quatro pontos ganhos, conseguindo se manter colado aos líderes Porto e Sport – apenas dois pontos de desvantagem. Na próxima rodada, os alvirrubros enfrentam o Salgueiro, nos Aflitos, sábado, às 16h.

Em relação ao confronto em Serra Talhada, os visitantes não conseguiram manter uma regularidade, alternando bons e maus momentos. “Ainda não dá para cobrar espetáculo, o essencial nesse momento é somar os três pontos”, disse Roberto Fernandes, após o jogo.
Aproveitando bem o fator mando de campo, com o apoio da torcida e com um gramado bastante duro, o Serrano não quis nem saber se o time do Náutico estava “remendado” e tentou aproveitar os primeiros minutos de jogo para sufocar os visitantes. Logo aos quatro minutos, o ataque do Jumento já exigiu trabalho do goleiro Eduardo.

Com ambas as equipes tendo dificuldades para conseguir trocar passes no gramado do Pereirão, a partida perdeu bastante em emoção e ficou mais nas disputas travadas no meio de campo. Somente aos 44 minutos, o lateral Júnior Moura recebeu na entrada da área e mandou uma bomba para a grande defesa de Eduardo, evitando a abertura do placar no primeiro tempo.
Para compensar a falta de emoção na etapa inicial, a volta do intervalo começou a todo vapor, desta vez com o Náutico tentando dominar o Jumento nos minutos iniciais. Com quatro minutos de bola rolando, Carlinhos Bala fez belo cruzamento para Anderson Lessa desperdiçar boa oportunidade. Aos 14, Bala recebeu bela enfiada e entrou livre na área, o goleiro Maicon saiu fechando bem o ângulo e evitou o gol alvirrubro.
Não deixando barato as investidas do Timbu, o Serrano lembrou que estava em campo e respondeu aos 18 e aos 20 minutos, com Júnior Barracão e Paulinho, com este segundo tendo mandado um torpedo para outra grande defesa de Eduardo.
Aos 42, foi a vez de Antônio Carlos fazer Eduardo trabalhar. Quando tudo parecia se encaminhar para o segundo empate do Timbu no Estadual, aos 43 minutos, Gilmar recebeu um chutão da zaga, fez bela jogada individual e sofreu pênalti. O próprio Gilmar cobrou com categoria, aos 46, e garantiu a primeira vitória do Náutico no Pernambucano 2009.
Serrano
Maicon; Júnior Moura, Alex Costa, Edu Matos e Paulinho Potiguar; Marcondes, Nau, Wescley e Paulinho (Didiu); Antônio Carlos e Junior Barrocão (Idalvo)Técnico: Erasmo Forte

Náutico
Eduardo; Eduardo Erê (Nilson), Vágner, Luis Alberto e Wellington; Nunes, Dinda (Juliano), Johnny e Gilmar; Carlinhos Bala e Anderson Lessa (Kuki)
Técnico: Roberto Fernandes

Local: Nildo Pereira (Serra Talhada)
Árbitro: Antônio Hora Filho (FIFA/SE)
Assistentes: Erich Bandeira e Jossemmar Diniz
Gol: Gilmar (aos 46 do 2ºT)
Cartões amarelos: Maicon e Júnior Moura (Serrano), Luis Alberto e Johnny (Náutico)
Público: 4.560 Renda: 2.080
Preliminar: Serrano 3×2 Náutico (juniores).

Sport

O Sport não teve vida fácil, mas foi guerreiro o suficiente para vencer o Salgueiro, ontem, por 2×0, no estádio Cornélio de Barros, no Sertão pernambucano, pela segunda rodada do Estadual. Para isso, o Leão contou, mais uma vez, com um lance decisivo do jovem Ciro, artilheiro do Campeonato, com três gols (junto com Guego, do Porto). Foi dele o tento que abriu o placar. Contudo, se atingiu o objetivo de trazer a vitória fora de casa, o Rubro-negro não se manteve na liderança da competição. No saldo de gols, a equipe foi superada pelo Porto (7×6).

Sport e Salgueiro fizeram um primeiro tempo equilibrado. Se no início do jogo o Leão ameaçou bastante o goleiro Luciano, no decorrer do duelo o Carcará conseguiu igualar as forças e passou a assustar, também, o rubro-negro Magrão. As primeiras chances foram do Rubro-negro. Logo de cara, Wilson perdeu duas ótimas oportunidades. Aos seis, sozinho, ele bateu forte, mas a bola foi para fora. Um minuto depois, ele acertou o travessão.
Atuando em casa, o Salgueiro não ficou apenas olhando o Sport jogar. O Carcará também foi para o ataque e se aproveitou de uma coisa rara na defesa do Leão: as falhas. Por duas vezes, os defensores rubro-negros quase entregaram o ouro. Aos 12, César vacilou, mas deu sorte, porque Renato Frota não aproveitou. Aos 14, foi a vez de Durval. Mais uma vez, os sertanejos não conseguiram se aproveitar. Aos 29, a equipe teve um gol anulado, pois Leonardo havia ajeitado a bola com a mão.
Tentando mudar a história do jogo na segunda etapa, o técnico Nelsinho Batista foi mexendo na equipe. Primeiro, tirou Fumagalli e colocou Luciano Henrique. Depois, foi ainda mais ousado, trocando o lateral-direito Sidny pelo atacante Guto, que fez a sua estreia. Colocando o time para atuar com três atacantes, o treinador aumentou o lá e cá que dominou a partida, mas, aos 34, acabou recompensado.
Dutra cobrou lateral para dentro da área, Guto desviou de cabeça, e Ciro, de virada, bateu de primeira, sem chances para Luciano. O gol animou os rubro-negros, que foram para cima. Destaque para a atuação do estreante Guto. Aos 37, ele entrou sozinho na área, mas perdeu a passada, deixando o goleiro chegar. Dois minutos depois, o atacante teve nova oportunidade, após belo lançamento de Ciro.

Ele se livrou do zagueiro, driblou Luciano, mas foi derrubado. Pênalti marcado no ato por Wilson Souza. A marcação da penalidade foi um caso à parte. Luciano Henrique teve que bater três vezes até o lance ser validado, já que, nas duas primeiras, houve invasão da área.
Salgueiro
Luciano; Rogério, Henrique, Alisson e Marcos Mendes; Victor Caicó, Wendell, Renato Frota (Cassimiro) e Leonardo (Oliveira); Patrick e Inho Baiano
Técnico: Neco

Sport
Magrão; César, Igor e Durval; Sidny (Guto), Hamilton (Andrade), Sandro Goiano, Fumagalli (Luciano Henrique) e Dutra; Ciro e Wilson
Técnico: Nelsinho Batista

Local: Cornélio de Barros (Salgueiro)
Árbitro: Wilson Souza
Assistentes: Ubirajara Ferraz e Alcides Lira
Gols: Ciro (aos 34 minutos do 2°T) e Luciano Henrique (aos 42 minutos do 2°T)Cartões amarelos: Fumagalli (Spo), Leonardo e Luciano (Sal)
Público: 5.348 Renda: R$ 15.800,00
Preliminar: Salgueiro 1×1 Sport (juniores).

Santa Cruz

Invertendo o tradicional ditado, depois da calmaria veio a tempestade para os lados do Santa Cruz. A equipe coral sofreu uma goleada para o Porto, ontem, em Caruaru. A equipe interiorana venceu por 4×0 e assumiu a liderança do torneio, com seis pontos, enquanto o time da Capital caiu para a sétima posição.

Agora, a torcida vai ter que superar a ressaca e tentar ajudar o elenco no domingo, quando o Tricolor faz sua primeira partida no Arruda, contra o Central. Ao final do jogo, o técnico coral Márcio Bittencourt resumiu o que foi a partida. “Só quem jogou bem foi o (goleiro) André Zuba. Se não fosse ele, a derrota seria pior”.
Ao contrário da partida contra o Sete de Setembro, quando a equipe do Santa Cruz começou sendo pressionada, o Tricolor foi bem nos primeiros minutos em Caruaru, principalmente contando com a participação do lateral-direito Parral. Marcelo Ramos teve algumas boas oportunidades, mas não conseguiu balançar as redes. Porém, após os 20 minutos de jogo, o Porto cresceu, pressionando a saída de bola e agredindo o Mais Querido. Aos 40 minutos, o meia Thiago Laranjeiras foi derrubado dentro da área por Memo. Guego cobrou a penalidade e abriu o marcador. Minutos depois, Vágner evitou o segundo gol do time local.

Na etapa final, veio o massacre do Porto. A zaga tricolor perdeu totalmente o controle das ações diante da velocidade dos jovens do Gavião. André Zuba teve que fazer milagres, mas aos 24 minutos, o arqueiro coral não resistiu. Em uma falha coletiva, o Tricolor deixou Kyros livre para ampliar. A torcida caruaruense gritava olé, e o time mostrava apetite. Aos 44, o destacado Thiago Laranjeiras fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Guego marcar o seu segundo tento, desta vez de cabeça. Quem jogou a última pá de terra foi o lateral Val, de forma brilhante. Ele deu um chapéu no meio campo, avançou com a bola e bateu no ângulo de Zuba, que nada pôde fazer.
ARRUDA
Os dirigentes do Santa Cruz estão contando as horas, na expectativa de que o Arruda esteja completamente liberado para o primeiro jogo do time em casa no Campeonato Pernambucano, contra o Central, que acontece domingo, às 18h. O anel superior do estádio, que está interditado desde 2007, foi vistoriado pela Diretoria de Controle Urbano (Dircon). O promotor de Defesa do Consumidor do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Geraldo Mendonça, aguarda o resultado da análise para decidir sobre a liberação. “Ainda não recebi o resultado”, disse o promotor na noite de ontem.
Porto
Danilo; Baiano (Val), Gonçalves, Stanley e Aírton; Rodolfo, Cosme, Guego e Thiago Laranjeiras; Marlos e Kyros (Neilson)
Técnico: Adelmo Soares

Santa Cruz
André Zuba; Parral, Sandro (Anderson), Memo e Adílson; Vágner, Bilica, WIllian (Juan Felipe) e Élder (Húdson); Márcio e Marcelo Ramos
Técnico: Márcio Bittencourt

Local: Luiz Lacerda (Caruaru)
Árbitro: Emerson Sobral
Assistentes: Albert Júnior e Júlio César Bezerra
Cartões amarelos: Memo, Vágner, Rodolfo, Guego
Gols: Guego (de penalti, aos 40 do 1°T, e aos 45 do 2°T), Kyros (aos 24 do 2° T), e Val ( aos 47 do 2° T)
Público: 5.745 Renda: 30.630

por Berg Araújo.