Ceclin
jun 21, 2022 0 Comentário


Rafael Setestrelo, de Vitória de Santo Antão, venceu o 7° Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura

Evento que marca lançamento de obras vencedoras do 7° Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura acontece no dia 28 de junho, no  Museu do Estado de Pernambuco (Mepe)

Os vencedores do 7° Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura, cujo Edital foi lançado em janeiro de 2020, terão suas obras lançadas oficialmente no dia 28 de junho, terça, às 19h, em evento presencial no Museu do Estado de Pernambuco (Mepe). Além da impressão e distribuição dos seus livros pela Cepe Editora, todos de poesia, Renata Santana, Helder Herik e Rafael Augusto Costa de Oliveira também receberam premiações em dinheiro que totalizam R$ 72 mil.

Fruto de parceria entre a Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE), Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e a Cepe, o prêmio tem o objetivo de fomentar a produção de obras de literatura em todas as macrorregiões de Pernambuco, por meio de uma ação de estímulo à criação literária e editorial. As inscrições são regionalizadas, para garantir o acesso e a publicação de obras produzidas por todo o Estado.

O livro “Dylan-Pajeú”, de Rafael Augusto Costa de Oliveira, de Vitória de Santo Antão, venceu como melhor obra da Zona da Mata e o Grande Prêmio. Por conta da conquista dupla, ele recebeu a premiação em dinheiro no valor de R$ 36 mil.

Helder Herik, de Garanhuns, região Agreste, conquistou o prêmio com a obra “Auto de javalis e unguentos” e levou R$ 18 mil. O escritor já havia vencido na segunda edição do concurso, quando ainda se chamava Prêmio Pernambuco de Literatura, com o livro: “Rinoceronte Dromedário”.

Representante da Região Metropolitana, Renata Santana teve o direito de ter o seu livro “A Mulher do Tempo” editado pela Cepe. Quarta mulher a ganhar o Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura, ela também recebeu premiação de R$ 18 mil.

Nesta sétima edição, não houve premiados na região do Sertão. Pois, de acordo com uma das cláusulas do regulamento do prêmio, a premiação por região não é obrigatória.

“O Prêmio Hermilo Borba Filho é uma importantíssima plataforma de divulgação de novos nomes. É, também, um valioso instrumento de preservação da tradição de Pernambuco em revelar ao País grandes grandes escritores e escritoras, a exemplo de Luzilá Gonçalves, Raimundo Carrero, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo, João Cabral de Melo Neto”, destaca o secretário de Cultura de Pernambuco, Oscar Barreto.

“O Prêmio Hermilo responde à valorização do escritor pernambucano e a políticas estabelecidas pelo Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas e pelo Plano Estadual de Cultura de Pernambuco, ambos aprovados pelo Conselho Estadual de Política Cultural de Pernambuco”, expõe Severino Pessoa,  diretor-presidente da Fundarpe.

Já o coordenador de Literatura da Secult-PE, Roberto Azoubel, exalta a importância da Cepe Editora nessa empreitada. “Ela vem despontando como um dos maiores destaques do cenário nacional, com ótima distribuição e qualidade excelente das suas obras. É uma grande editora, vencedora do Jabuti, o mais tradicional prêmio literário do Brasil. Com isso, ela posiciona seus autores em boas colocações”.

“O Prêmio Hermilo Borba Filho, agora em sua sétima edição, é uma iniciativa exitosa e de grande impacto que não apenas reafirma o compromisso do Governo de Pernambuco com o fomento da cultura. Evidencia, sobretudo, a qualidade da literatura contemporânea pernambucana produzida em todas as regiões do Estado, como podemos comprovar nas obras de Renata Santana, Helder Herik e de Rafael Setestrelo. Mais uma vez, a Cepe se sente honrada em contribuir para a realização do prêmio”, afirmou o presidente da Cepe, jornalista Ricardo Leitão.

Sinopses das obras

“Dylan Pajeú”, de Rafael Setestrelo

Montado em riffs e martelos, o poemário entoa o sertão ocre e verde, seco e líquido, prosaico e poético. O bardo toma a rodovia. Os poemas brotam, extraídos dos ossos e das carnes do rio ao som de violas e guitarras, entre pelejas. Em matéria de encontros, o bardo registra viandante cavandante as serras, as gentes, as vilas e cidades, os rios e rodovias e serpentes, porque, neste sertão, todas as coisas também se encontram e se chamam Pajeú.

“A mulher do tempo”, de Renata Santana

Este é um livro sobre o tempo dos sentidos narrado em quatro unidades de experiências que se complementam. Em Mercúrio Retrógrado uma voz poética acessa o tempo presente pela impressão do passado e toca em questões contemporâneas, cotidiano, linguagem, noticiário, as dobras da paisagem urbana. Em Temporã o amor e o desejo são rupturas do presente e sustos do passado que irrompem fora de um fluxo. Em Ex-votos há a sala dos objetos recuperados e roídos pela memória. E Futurista retrô festeja uma seta ao futuro que atinge o passado, os enganos do século 21 e a experiência hipermediada pelas novas tecnologias.

“Auto de javalis e unguentos”, de Helder Herik

“Auto de javalis e unguentos” é um poema dramático. Zózimo é o patriarca supremo, aquele que tudo vê, sente e decide. É o juiz dos acontecidos e dos aconteceres. Zózimo é o anti-herói que tanto pode existir na literatura ou na casa ao lado. Um personagem que por fora, no seu raso, até passaria por um cidadão de bem (seja lá o que isso queira dizer hoje), mas que no fundo oculta/expõe o ódio das mulheres, das minorias e dos desvalidos. Um personagem, o leitor bem verá, que é um complexo do nosso tempo, do nosso Brasil.

Sobre o Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura

Promovido desde 2012 pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura, Fundarpe e Cepe Editora, o outrora Prêmio Pernambuco de Literatura recebeu nova denominação em homenagem ao escritor e dramaturgo pernambucano Hermilo Borba Filho no ano de seu centenário.

O Prêmio foi instituído via Decreto 45.127, assinado pelo governador do Estado de Pernambuco na data 17/10/2017, e prevê a participação dos autores vencedores em atividades de difusão, fruição e formação desenvolvidas pela Secult/Fundarpe, o que incentiva a formação, qualificação e ampliação da base de leitores das obras publicadas.

As inscrições são feitas sob pseudônimos e os jurados seguem critérios determinados de julgamento das obras: originalidade/singularidade (proposta de vanguarda ou peculiar dentro da tradição literária); qualidade técnica (demonstração de domínio das técnicas da narrativa ou do poema) e domínio da linguagem (norma padrão da língua ou adequação da linguagem às variedades pertinentes na construção das vozes das personagens ou do eu lírico/épico).

SERVIÇO
Lançamento obras vencedoras do 7° Prêmio Hermilo Borba Filho de Literatura
Terça, 28 de junho, às 19h
Museu do Estado de Pernambuco – Av. Rui Barbosa, 960 – Graças, Recife.