Ceclin
jan 14, 2016 0 Comentário


Rafael Prequé, genro de Elias Lira, pede desfiliação do PSB

Rafael Prequé envia carta ao governador informando desfiliação do PSB, após 14 anos. Foto: Reprodução/Facebook

Rafael Prequé envia carta ao governador informando desfiliação do PSB, após 14 anos. Foto: Reprodução/Facebook

No comunicado, o vice-prefeito de Gravatá lamenta não ter sido consultado sobre a intervenção no Município 

O vice-prefeito de Gravatá, Rafael Prequé, confirmou, na tarde da quarta-feira (13), que não fará mais parte do Partido Socialista Brasileiro (PSB). O anúncio foi confirmado por meio de uma carta enviada ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara. Segundo o comunicado, a iniciativa é um protesto contra as medidas que vêm sendo adotadas pelo PSB no município do Agreste do Estado, sem consultá-lo previamente.

“Mesmo eu não tendo nenhum envolvimento com os fatos ocorridos que levaram ao afastamento do prefeito, nunca fui consultado a nada no que se refere ao seu afastamento e posteriormente ao processo atual de administração da intervenção que lamentavelmente o município vivencia”, destacou um dos trechos da nota.

Confira abaixo a carta na íntegra:

“Excelentíssimo senhor Governador do estado de Pernambuco Paulo Henrique de Saraiva Câmara.

Venho através deste comunicado, informar ao senhor que irei me desfiliar do Partido Socialista Brasileiro-PSB partido ao qual sou filiado a 14 anos com ficha abonada pelo Dr. Miguel Arraes de Alencar a quem eu tenho uma grande admiração pelo que ele representou e representa na minha formação política e ideológica.

Entendo que como o partido já tenha o seu candidato a prefeito (na base da força) mesmo sem ter feito as devidas prévias e discussões com os seus filiados e que da mesma forma, o partido não consultou referente a intervenção no município de Gravatá as suas lideranças locais, sejam elas com ou sem mandatos eletivos, especificamente a mim como fiel militante e defensor, ex-presidente da legenda durante três mandatos e que exerço no momento o cargo de vice-prefeito votado e eleito, majoritário na cidade na eleição de 2014 referendado pelo voto popular dos gravataenses.

Mesmo eu não tendo nenhum envolvimento com os fatos ocorridos que levaram ao afastamento do prefeito, nunca fui consultado a nada no que se refere ao seu afastamento e posteriormente ao processo atual de administração da intervenção que lamentavelmente o município vivencia.

Nunca pratiquei nenhum ato que desabone ou manche minha história. Nunca participei de nenhum ato da gestão anterior a intervenção e mesmo assim nunca fui ouvido e consultado, sendo ignorado e até igualado aos que praticaram os atos que chegaram a intervenção. Portanto não tenho mais condições morais para continuar no partido, pois a minha candidatura a Prefeito de Gravatá é legítima construída dia a dia com muito esforço e a minha formação não me permite aceitar esta situação a qual não sou ouvido, ignorado e até condenado pelo partido que se omitiu onde deveria respeitar o voto da população na linha sucessória.

Mantenho com dignidade e honradez o meu nome independente de estar ou não estar exercendo cargos políticos e públicos pois os meus mais preciosos valores pelos quais sou reconhecido por todos é a sinceridade, é a lealdade, o respeito, a coragem, o reconhecimento e o fino trato às pessoas independente do seu sexo, da sua cor, da sua condição social, da sua condição econômica ou da sua condição política.

Sou o único responsável pelos meus atos, e vou seguir a minha consciência. Trabalho incansavelmente todos os dias para fortalecer o meu nome e com a vontade do povo de minha cidade poderemos viver dias melhores.

A vossa excelência e a todos do partido que me acolheram até hoje apesar das divergências os meus mais sinceros agradecimentos.
“Pra frente é que se anda.”

Gravatá 13 de Janeiro de 2016.
Rafael Luiz Prequé Moura de Oliveira.”