Ceclin
jul 28, 2011 0 Comentário


Quadrilha que explodiu caixa em Camela confirma autoria de outras 2 explosões

foto reprodução da Folha de Pernambuco

Publicado em 27.07.2011


Do NE10


A quadrilha que explodiu o caixa eletrônico no distrito de Camela, em Ipojuca, região metropolitana do Recife, na madrugada desta quarta-feira (27) também é autora de crimes semelhantes ocorridos nos municípios de Gameleira e Joaquim Nabuco. A informação foi confirmada nesta tarde durante coletiva de imprensa que reuniu representantes das Polícias Federal, Civil e Militar sobre a operação Cabum 2, que prendeu dois dos quatro envolvidos na ação desta madrugada.

Segundo o delegado José Cláudio Nogueira, da Delegacia de Roubos e Furtos da Polícia Civil, há suspeitas de que o grupo também estaria envolvido no roubo de explosivos de uma pedreira em Vitória de Santo Antão, crime que aconteceu há cerca de dois meses, uma vez que, depois do roubo, vários caixas foram explodidos no Estado. Ainda segundo o delegado, também suspeita-se que o bando esteja envolvido na explosão de um caixa eletrônico no município de Lagoa dos Carros.

“Os envolvidos que foram presos confirmaram a autoria dos roubos em Joaquim Nabuco e Gameleira, mas nós temos quase certeza da participação deles em Lagoa do Carro e outros municípios, pela forma como as ações foram realizadas”, informou o delegado. Um deles, Lucas de França Silva, de 20 anos, seria, inclusive, o mentor de vários crimes, além de responsável por aliciar outros criminosos para as ações.

As investigações da Polícia Federal indicam, ainda, que o grupo estaria atuando em outros Estados do Nordeste, não apenas na explosão de caixas eletrônicos, mas também no tráfico de drogas e armas.

OPERAÇÃO CABUM 2 – De acordo com o chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Delepat) da Polícia Federal, Bernardo Gongalves Torres, a Operação Cabum 2 foi deflagrada pela Polícia Federal há cerca de 15 dias e investigava a quadrilha devido às explosões de caixas eletrônicos, bem como o tráfico de armas e drogas que estaria radicada em Vitória de Santo Antão. Com a evolução dos investigações, foi constatado que um caixa eltrônico seria explodido nas proximidades de Ipojuca.

Por esse motivo, foi criada uma equipe composta por homens da PF, além de 12 policiais militares da 2ª Seção de Gravatá e 12 policiais civis da Roubos e Furtos. A equipe não conseguiu evitar a explosão do terminal Bradesco ocorrida por volta da 1h30 desta quarta por não saber exatamente o local onde a ação seria desenvolvida, mas, sabendo que a quadrilha se deslocaria para Vitória de Santo Antão, montou um bloqueio na entrada da cidade, próximo à PE-45.

O carro dirigido pelos assaltantes, um Honda Civic de cor prata, sem para-choques, chegou ao local do bloqueio por volta das 2h30, mas não parou. Houve, então, troca de tiros. O veículo foi abandonado em seguida e deu-se início à perseguição, que culminou na prisão de Lucas, encontrado em um casa abandonada, e de Emmanuel (conhecido por Marajá), localizado dentro de uma caixa d’água. Ambos estavam feridos e Emmanuel foi encaminhado à uma Unidade de Pronto Atendimento, de onde já recebeu alta, e Lucas, que levou tiros nas pernas, está internado no Hospital Getúlio Vargas, no Recife. Outros dois homens, já identificados pela polícia, fugiram levando todo o dinheiro da ação criminosa.

Na casa de Lucas Silva uma motocicleta foi apreendida, e na casa de Emmanuel dos Santos foram encontrados dinheiro e vários envelopes dos bancos do Brasil e Bradesco. Os dois serão autuados em flagrante por assalto à mão armada, explosão visando lucro, formação de quadrilha, resistência, homicídio e porte ilegal de armas, com penas que, somadas, podem ultrapassar os 52 anos de reclusão.

fotos do pe360graus