• Ceclin
out 06, 2018 0 Comentário


PT e Fernando Ferro entram com representação no TRE-PE sobre episódio em Vitória de Santo Antão

Fernando Ferro PT

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o candidato a deputado federal Fernando Ferro, entraram com uma representação junto ao Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco – TRE-PE, pedindo providências em função de atos arbitrários e ilegais praticados pela Polícia Militar de Pernambuco – PMPE , na noite do ultimo dia 26 de setembro, em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, quando foi apreendido material das campanhas de Fernando Haddad – presidente da República e Fernando Ferro, Deputado Federal, com fotos do ex-presidente Lula. Detalhes AQUI

Na ocasião, utilizando uma guarnição com três carros, a Polícia Militar apreendeu o material de campanha e impediu, durante mais de uma hora e meia, que Fernando Ferro retornasse ao Recife, junto com sua militância, depois de finalizada a panfletagem em frente à Faculdade Escritor Osman Lins – FACOL, no Bairro Universitário. Para Fernando Ferro “a atitude da PM representou uma perseguição clara ao companheiro Luiz Inácio LULA da Silva.”

Os policiais alegaram que estava sendo distribuído material de propaganda ilegal, apresentando o ex-presidente Lula como candidato, fato não comprovado. Depois da apreensão, os policiais, apesar de constatarem que não havia qualquer ilegalidade, só devolveram o material e liberaram Fernando Ferro, depois da intervenção da Dra. Clênia, Juíza da 18ª. Zona Eleitoral da Vitória de Santo Antão. Antes, o assessor jurídico da campanha, advogado Aristides Félix Júnior, interveio junto ao Major Clávio do 21º BPM, que telefonou para a Juíza esclarecendo que o material utilizado estava totalmente regular, segundo os próprios PM’s que registraram um boletim de ocorrência e não quiseram revelar de onde havia partido a denúncia.

Para o candidato Fernando Ferro, com essa representação o PT pretende evitar que a PM ou qualquer autoridade constituída, diante do possível clima de acirramento na reta final de campanha, atue de forma arbitrária e ilegal contra os militantes do PT e da candidatura de Fernando Haddad, especialmente no dia da eleição.