Ceclin
ago 30, 2010 0 Comentário


Projeto contra incineradora é aprovado por unaminidade em Pombos

Foi realizada na quinta feira (26), na Câmara de Vereadores do Município de Pombos a 8ª Sessão do 2º período.

Devido à ausência do vereador José Roberto dos Santos (Beto da Ambulância do PR), o Presidente da Casa Marcos Severino da Silva (Marcos de Porteira do PCdoB), convidou a vereadora Maria das Graças Bezerra (Neide de Roque do PMN) para fazer parte da mesa onde a mesma após realizar a chamada nominal dos vereadores registrou a falta dos vereadores Severino João do Nascimento (Pirraia do Feijão do PR) e Luiz Felipe Ferreira (Luiz Baé do PTB).

Após a leitura e aprovação da ata da sessão anterior o presidente da Casa legislativa, Marcos de Porteira, deu continuidade aos trabalhos da casa solicitando a vereadora Neide de Roque que fizesse a leitura da pauta do expediente.

Na pauta, apenas um projeto de lei do vereador Joabes Gomes da Silva (Murilo Força Jovem do PR) que proíbe instalações de empresas que processam e incineram resíduos hospitalares no Município por um período de 10 anos e um ofício oriundo da Prefeitura de Pombos solicitando a devolução do projeto de lei nº 12/2010 por conter erro na sua estrutura.

Após a leitura do expediente, o mencionado projeto foi debatido e aprovado por todos os vereadores presentes.

Não havendo mais matéria para expediente, Marcos de Porteira iniciou o tempo livre para os parlamentares usarem a Tribuna para suas citações.

O vereador Murilo Força Jovem que após cumprimentar a todos, iniciou seu tempo livre agradecendo aos vereadores pela aprovação de seu projeto.

O parlamentar alegou que após pesquisar e procurar orientação percebeu que essa empresa não traria benefícios para o Município, pois o número de empregos não passaria de 10 e o impacto ambiental que causaria afastaria outras empresas de Pombos.

Murilo comunicou a todos os presentes que está realizando uma audiência pública para mostrar os danos que um empreendimento desse porte poderá acarretar ao Município.

Em seu tempo livre o vereador Manoel Marcos Alves Ferreira (Dr. Marcos do PTB), informou que desde a primeira vez que o projeto que doava o terreno para a empresa de incineração chegou à Câmara ele foi contra, porque percebeu vários erros em relação ao mesmo.

O vereador estranhou o fato do CNPJ constar o endereço muito antes de ter sido feita a doação do terreno.

Outro fator observado pelo médico foi a rapidez que a documentação foi providenciada e outro absurdo foi que esse terreno já estava sendo usado para fazer empréstimo a uma instituição bancária onde o mesmo ficaria hipotecado e Pombos perderia seu patrimônio.

Finalizando, o Dr. Marcos alertou para o risco do manuseio de lixo hospitalar, pois existem vários riscos citando a contaminação por resíduos radioativos como o mais perigoso.

O vereador José Chalegre de Farias (Chalegre Vereador do PMN) mais uma vez se posicionou a favor do projeto do parlamentar Murilo reafirmando que uma empresa que manuseia produtos tóxicos e lixo hospitalar oferece perigo ao ambiente e precisa ser bem elaborada antes de sua abertura.

O vereador lembrou que para conseguir um alvará de funcionamento de uma empresa comercial demora até oito meses e estranhou o fato de um projeto desse porte esteja querendo se formar da noite para o dia.

Finalizando, o parlamentar solicitou que fosse enviado um oficio em nome da Casa Legislativa para os gestores do Fundo de Previdência de Pombos, solicitando um histórico financeiro do mesmo, pois segundo alguns funcionários públicos municipais o mesmo se encontra em grande dificuldade.

A vereadora Neide de Roque parabenizou o vereador Murilo pela iniciativa do projeto dizendo que o bom senso prevaleceu.

“Sempre fui contra esse projeto porque eu quero que a população respire ar puro, essa empresa não trará empregos para o Município e sim será o motivo para que outras não se instalem”.

A vereadora alertou para o perigo que uma empresa dessas pode acarretar a Pombos, devido ao fato de que ela pretende se instalar entre um condomínio e uma empresa que processa medicamentos.

A parlamentar alertou a todos para a possibilidade do projeto ser vetado pela gestão municipal, declarando-se preparada para defendê-lo em outras instâncias, aproveitou para convidar a população para comparecer em massa a audiência pública para debater sobre o assunto.

Finalizando, a parlamentar declarou que a cidade de Pombos não precisa de uma “bomba hospitalar” e sim de empresa que gerem empregos e renda de verdade para a população.

Não havendo mais inscritos, o presidente da Casa Legislativa declarou encerrada a Sessão, convidando a todos para a próxima quinta feira no horário regimental.


Por Orlando Leite.