• Ceclin
set 30, 2019 0 Comentário


Professores da UFPE aderem à paralisação nacional

whatsapp-image-2019-09-30-at-11.35.37_1_0

Nesta segunda-feira (30/9), após assembleia geral extraordinária, professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decidiram participar da paralisação nacional pela educação, marcada para a quarta (2) e quinta-feira (3). A União Nacional do Estudantes (UNE) e a Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG) são as entidades responsáveis pela convocação.

“A grande mobilização nacional em defesa da educação, ciência e tecnologia, marcada para os dias 2 e 3 de outubro, vai englobar diversas ações no Congresso Federal e nos demais estados do país. Ex-ministros da Educação e membros do Fórum Nacional Popular de Educação vão se reunir na quarta-feira (2) para apresentar documentos com diagnósticos, propostas políticas e estratégias destinadas ao campo educacional no intuito de reverter as constantes ameaças e restrições aplicadas aos setores. Em paralelo, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência programou uma Marcha pela Ciência, e a União Nacional dos Estudantes fará uma paralisação para chamar a atenção para as questões dos alunos, como os cortes das bolsas, integrando também a reação aos ataques contra os trabalhadores”, detalhou a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pernambuco (Adufepe), em seu site oficial.

Na tarde desta segunda-feira, docentes decidirão, junto a integrantes do movimento estudantil, as atividades que serão realizadas no ato. Para o diretor da Adufepe, Audísio Costa, a paralisação é necessária diante do atual cenário educacional do Brasil. “Nós estamos vivendo a pior ditadura desse país, a ditadura do capital financeiro internacional, em que você não sabe quem é o inimigo. Sem uma grande mobilização, a gente não derrota o governo”, disse o diretor.

Algumas propostas de atividades por parte dos professores deverão ser colocadas em pauta nesta tarde. São elas: utilização de carro de som, panfletagem nesta terça-feira (30), às 7h e 17h, colocação de faixas nos campi, e disponibilização de ônibus para levar estudantes e professores a atos previstos para o Centro do Recife.