Ceclin
Maio 31, 2012 0 Comentário


Professores da rede privada decretam greve e devem parar por definitivo na segunda-feira

Professores do setor privado de ensino de Pernambuco decidiram, em assembleia nesta quarta-feira (30), no auditório da Fafire, Recife, decretar greve.

A categoria saiu do encontro desta manhã, ainda, com o indicativo de deflagração – e, portanto, paralisação – na próxima segunda-feira (04), em nova assembleia também na Fafire.

A atitude foi tomada após o posicionamento do sindicato patronal, que não compareceu ao encontro de mediação com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que aconteceria paralelamente à atividade dos docentes. “Demonstrou pouco comprometimento com a pauta reivindicatória”.

Para esta tarde, às 14h, o MTE solicitou presença do presidente do Sinepe, José Ricardo Diniz, para uma nova mediação e uma nova tentativa de avanço nas negociações.

A categoria pede, desde o começo da campanha salarial 2012, a unificação da hora/aula para R$ 10, que atualmente é de R$ 5 para os professores da educação infantil e ensino fundamental 1 (1º ao 5º ano) e de R$ 6,40 para os docentes que lecionam no fundamental 2 (6º ao 9º ano) e ensino médio.

Os docentes discutiram na assembléia, as rodadas de negociações que tiveram com a entidade patronal, que rejeitou, em todas as reuniões, as propostas do sindicato.

“Não podemos chamar essas reuniões com o Sinepe de ‘mesa de negociações’, pois eles além de não apresentar propostas, não querem entrar em acordo”, comentou o coordenador geral do Sinpro Pernambuco, Jackson Bezerra.