Ceclin
nov 17, 2008 0 Comentário


Produtor quer mudar indicação da cachaça

Publicado em 16.11.2008


Hoje, a bebida é classificada nos EUA como rum brasileiro, termo que é depreciativo. Produtores e o Sebrae investem US$ 100 mil para que a cachaça seja indicada por sua origem, como o champanhe

Angela Fernanda Belfort

Os produtores de cachaça e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro Empresas de Pernambuco (Sebrae-PE) vão investir cerca de US$ 100 mil (aproximadamente R$ 230 mil pelo câmbio da última sexta-feira) para conseguir mudar a nomenclatura da cachaça nos Estados Unidos. Lá, a bebida recebe a denominação de rum brasileiro. “Queremos tirar a palavra rum que é depreciativa e garantir uma indicação da cachaça como produto típico do Brasil”, disse a presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Maria das Vitórias Cavalcanti, acrescentando que outras bebidas conseguiram a indicação pela sua origem de produção como o champanhe, da França, e a tequila, do México.
Do total a ser investido, metade será bancado pelo Sebrae de Pernambuco e o restante será rateado pelos produtores da bebida. Para conseguir alterar a classificação da bebida na lei americana, os fabricantes da cachaça contrataram um escritório de advocacia e será publicada uma consulta pública, nos Estados Unidos, em dezembro. Nesse tipo de evento, os produtores de outras bebidas daquele país podem se pronunciar sobre a mudança da classificação.
Maria das Vitórias explicou que é mais fácil fazer essa modificação, se ninguém opinar em contrário durante a consulta pública. Ela argumentou também que os produtores brasileiros estão fazendo lóbi com os outros fabricantes de bebidas para que eles não se manifestem contra a mudança da classificação.
“Se conseguirmos a mudança da classificação nos Estados Unidos, isso vai facilitar esse reconhecimento na União Européia”, disse. Cada país ou grupo tem uma maneira de reconhecer a procedência do produto
A diferença entre o rum e a cachaça é que o primeiro pode ser fabricado a partir de várias matérias-primas derivadas da cana-de-açúcar, como o melaço, o açúcar e o xarope do açúcar. Já a cachaça, só pode ser fabricada a partir do caldo da cana.
HISTÓRICO
Os produtores brasileiros de cachaça lutam contra a denominação de rum brasileiro que foi colocada pela legislação americana desde 2000. Antes disso, ela era classificada como “especialidade de bebida destilada derivada da cana-de-açúcar”.
Atualmente, só é exportada 1% de toda a cachaça brasileira, o que significa cerca de 9,05 milhões de litros. Os principais importadores da bebida brasileira são a Alemanha (com 22%), Espanha (12%), Itália (9%), Países Baixos (7%) e Estados Unidos com 7%. No total, a cachaça é importada por mais de 55 países.
O Brasil tem a capacidade de produzir 1,2 bilhão de litros de cachaça. São 40 mil produtores espalhados pelo País, que tem 4 mil marcas diferentes da bebida.
(Jornal do Commercio).