Ceclin
set 11, 2011 0 Comentário


Preso suspeito de executar advogado Manoel Mattos

Em uma ação conjunta entre policiais Civis e Federais da Paraíba foi preso mais um acusado de envolvimento na morte do advogado e vice-presidente do PT em Pernambuco, Manoel Mattos

Portal do MPPE

José da Silva Martins, 37 anos, conhecido como Zé Parafina e também como Zé Escrivão, foi encontrado em uma casa de veraneio, em Pitimbu, na mesma localidade onde foi assassinado o advogado. A Polícia Civil da Paraíba informou que ele estava escondido na região desde o dia do crime. O acusado é apontado nas investigações como o executor de Manoel Mattos. José da Silva está preso na Gerência Metropolitana de Polícia, mas deve ser transferido nos próximos dias para uma unidade prisional no vizinho Estado. A participação de uma quinta pessoa no crime também está sendo investigada. Se for confirmada essa suspeita, serão dois agora os foragidos. E o único identificado pela Polícia é o agente da Civil Sérgio de Souza Azevedo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Walter Brandão, Zé Parafina confessou o crime e não ofereceu resistência à prisão. O acusado já se preparava para deixar a Paraíba quando foi preso, na última sexta-feira. Para viabilizar isso, dois dias antes vendeu um revólver 38 que lhe pertencia – essa não foi a arma utilizada no crime. “Ele confessou que atirou em Manoel Mattos. Também disse que havia ido até uma feira do troca, localizada em Goiana (Pernambuco) para vender a arma. O dinheiro ele utilizaria para fugir”, ressaltou o delegado. O proprietário da casa não foi identificado e não tem nenhum envolvimento no crime. “Ele não sabia de nada. A casa estava vazia e Zé Parafina apenas tomava conta”, acrescentou.

As diligências para prender Sérgio de Souza, um dos foragidos, continuam a ser realizadas. Sem querer dar muitos detalhes, o delegado disse apenas que ele deve ainda estar na Paraíba. “Não posso falar muito para não atrapalhar no processo de investigação. Só posso dizer que estamos trabalhando para tentar prendê-lo o mais rápido possível”, garantiu o delegado. Já com relação a participação de mais uma pessoano assassinato de Mattos, ele limitou-se a dizer que está averiguando essa informação. Os outros dois acusados que estão presos são o sargento da Polícia Militar Flávio Inácio e José Nilson Borges, presos logo depois do crime.

No relatório sobre a atuação do crime organizado elaborado por Manoel Mattos, que o Diario teve acesso, Zé Parafina é apontado como exterminador atuante nas localidades de Pedras de Fogo, Itambé, Timbaúba e Juripiranga e “araque” da Polícia. Numa audiência realizada na sede do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), em março de 2002, um adolescente deu detalhes sobre a atuação de grupos de extermínio na divisa de Pernambuco com a Paraíba. “No ano de 1998 passou a aparecer um grupo de extermínio na região da Paraíba comandado pelo Cabo César, Claudinho e outro conhecido como Zé Escrivão da Delegacia Civil da Paraíba.” Em uma outra audiência, dessa vez realizada na Assembléia Legislativa da Paraíba, em julho de 2002, Zé Parafina é apontado com o responsável pela morte de dois adolescentes no ano de 1998.