Ceclin
Maio 27, 2010 10 Comentários


Prefeitura da Vitória fará deslocamento da feira livre

Nessa quarta-feira (26) o Programa A VOZ DA VITÓRIA transmitido de segunda a sexta pela Rádio Tabocas FM (98,5) da Vitória de Santo Antão (6 às 8 horas da manhã), recebeu ao vivo o Secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura da Vitória de Santo Antão, Hildebrando Lima, que abordou sobre a Jornada Empreendedor Individual promovida pelo SEBRAE, além de comentar quanto à polêmica transferência da feira livre e dos ambulantes do Centro da cidade.

Quanto a Jornada do SEBRAE, o Secretário informou que foi uma iniciativa da Gestão Municipal através das Secretarias de Desenvolvimento Econômico, Secretaria de Ação Social, Secretaria de Educação e a Secretaria de Saúde com o objetivo de divulgar a legislação em benefício de quem queira abrir o próprio negócio.

“Inicialmente a Secretaria de Desenvolvimento Econômico entrou em contato com o SEBRAE, desde o ano passado, o qual fizemos alguns cursos de agentes de desenvolvimento local e inscrevemos Vitória de Santo Antão no SEBRAE como um órgão de parceria. Daí nos adequamos à Lei Geral do Micro e Pequeno Empresário e fomos cadastrados como Município Empreendedor”, explicou Hildebrando.

O Secretário ressaltou que participando dos cursos que se encerram nesta quinta (27), a pessoa além de fazer uma boa capacitação na área que precisa, também pode sair totalmente legalizado com CNPJ, Alvará municipal, tudo feito gratuitamente, deixando-o apto para adquirir financiamento, empréstimos e outros benefícios.
“O objetivo do SEBRAE é tirar as pessoas da informalidade e tornar um cidadão participante na atividade que ele exerce”, concluiu.

Outro assunto abordado por Lissandro Nascimento foi a futura localização da Feira Livre do centro comercial do Município e a questão dos vendedores ambulantes, do qual a oposição alardeia que a categoria tem sido perseguida pelo governo Elias Lira.

Para o Secretário, os ambulantes e feirantes que haviam invadido calçadas e ruas, foram transferidos para o terreno da Rede Ferroviária, explicando que alí formou-se a feira que hoje é chamada de “Feira da Estação” e conta com mais de 200 feirantes instalados no local, defendendo que a desordem que o centro comercial se encontrava não poderia continuar.

Hildebrando Lima informou na entrevista que após a remoção foi dado a sua Secretaria a polêmica tarefa de organizar a feira livre do Centro.
“Em seguida nós com a participação do SEBRAE corremos atrás de um projeto para uma feira decente. Fomos a algumas cidades como Gravatá, Cabo, Paudalho, São Lourenço e procuramos ver tudo, modelos de experiências êxitosas”, contou.

“Corremos atrás de um local e de um projeto, então foi nos indicado a área do ‘Campo do 13’ (final da Av. Mariana Amália) para essa feira móvel que é realizada tanto na Praça Duque de Caxias e na conhecida Rua da Águia. Estamos a um ano viabilizando este Projeto, as autoridades envolvidas são pessoas com grande referência, são especialistas nesta área de urbanização e de feira livre. O Dr. João Maynard, ele é uma pessoa que faz parte da Secretaria das Cidades do Governo do Estado de Pernambuco, é a pessoa que está coordenando esse Projeto em Vitória, pelo qual já houve várias reuniões com o Prefeito Elias Lira. Muito embora hoje já se levantasse a hipótese de alí ser um Pátio de Eventos. Ele é um grande defensor que alí também comporta tudo – feira livre e o Pátio de Eventos – desde que seja um projeto moderno existente em outros lugares”, salientou.

O Secretário explicou que o Projeto que está sendo feito trata-se de grande ponta pois está dividido em cinco módulos. Este começa com a revitalização da antiga BR 232, depois da Avenida Mariana Amália com o prosseguimento até a nova BR 232.
Citou que inclui a caixa do Rio Tapacurá, pelo qual a equipe fez estudos, citando que dará velocidade à vazão das águas, evitando assim futuras enchentes.
Quanto a ponte do Alto do Amparo, afirmou que esta terá que se adequar ao Projeto de alargamento do Rio Tapacurá, em seguida vem o Pátio de Eventos e a Feira Livre da Vitória de Santo Antão.

Ele informou ainda que todas estas obras estão em estudo e a última etapa é apresentar o esboço final à municipalidade. “Isso é uma coisa grande e demorada que necessita de um volume muito grande de recursos”, avisou.
“Estamos aplicando os maiores esforços para deixarmos alguma coisa realizada para o vitoriense e juntos temos o desejo de modernizar Vitória de Santo Antão”, externou.

Com relação aos ambulantes no centro comercial, o Secretário Hildebrando Lima fez uma ressalva: “Isso é outra luta que nos tem constrangido, às vezes a gente encontra resistência dos próprios comerciantes que não colaboram e insistem em expor suas mercadorias nas calçadas, que deve continuar em poder dos pedestres”, lamentou.

“Foi feito inclusive uma campanha para eles tirarem suas mercadorias das calçadas, há pouco conversei pessoalmente com uns cinco mais resistentes, no sentido de colaborarem procurando tirar suas mercadorias das calçadas e colocarem dentro de seus estabelecimentos, pois as calçadas não foram feitas para expor mercadorias”, contou.

Quanto ao terreno que poderia ser a feira da Sulanca, que se tornou inviável devido a uma orientação de invasão, acabou-se construindo galpões de particulares provocando a falta de espaço para uma possível instalação.

Com relação ao Centro de Abastecimento da Vitória (CEAVI), o Secretário considera que a CEAVI foi inviabilizada devido a construção de galpões enormes na gestão anterior que acabaram invadindo o seu entorno entregue à particulares, impedindo maiores investimentos.
“Estamos fazendo um cadastramento das pessoas e da área para futuramente tentar fazer algo para recuperar aquele Centro Comercial de verduras que é muito importante para a economia local”, finalizou Hildebrando.

por Orlando Leite,
Equipe de Produção.