Ceclin
out 12, 2012 0 Comentário


Prefeito reeleito de Jaboatão encerra 517 cargos comissionados

Foto: Igo Bione/JC Imagem

Do NE10

Com o objetivo de fechar o ano com 100% das contas de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife (RMR), pagas, o prefeito reeleito Elias Gomes (PSDB) cortou gastos. As medidas de contenção incluem a exoneração de 517 funcionários com cargos comissionados, o encerramento de um convênio de cooperação com a Câmara dos Vereadores e a redução de custos com telefonia, combustível e aluguel de carros.

Até dezembro, Elias afirma que a iniciativa deve render à Prefeitura uma economia de R$ 15 milhões. O prefeito também afirmou que ele e o vice, Eraldo Selva, vão renunciar ao reajuste, proposto pela Câmara, para mais no salário, já que o veto ao aumento à renda deles e dos vereadores foi derrubado pelos parlamentares na tarde da quinta-feira (11). “Nós temos que dar o exemplo. É incoerente falar em reduzir despesas e aumentar o subsídio”, explica.

O político ainda justificou o fim da ajuda à instituição no convênio de cooperação, no qual a Prefeitura de Jaboatão assumiu as despesas mensais (R$ 400 mil) de 116 funcionários da Câmara Municipal. “Se os vereadores estão com folga para subir o valor dos salários então também podem pagar os funcionários”, disparou. A diminuição (mais de 50%) na folha rende aos cofres de Jaboatão R$ 1.580,556.

A contenção, segundo Elias, teve início em março de 2012 com a diminuição em 40% na frota de carros alugados e 50% no combustível e telefonia. Como em setembro a economia do município ainda não havia se estabilizado, os novos cortes entram em vigor e valem a partir desta sexta-feira (10). Agora, 80% dos veículos alugados foram devolvidos (com exceção de 24 utilizados pela Guarda Municipal, de Trânsito e Conselho Tutelar) e um ajuste de 75% no valor já reajustado da telefonia foi feito. “Os servidores estão usando os próprios carros e pagando combustível, sem ressarcimento”, disse. E concluiu: “Todas as medidas foram tomadas para preservar os serviços públicos”.