Ceclin
fev 27, 2019 0 Comentário


Prefeito de Palmares é afastado e vereadores abrem comissão de impeachment

Altair Júnior

O prefeito de Palmares, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, Altair Júnior (MDB) foi afastado do cargo por unanimidade em sessão na noite da terça-feira (26/02) na Câmara Municipal. O afastamento tem um prazo de 90 dias. Na sessão também houve a abertura de uma comissão para tratar do processo de impeachment do gestor municipal.

O vice-prefeito Agenaldo Lessa (PPS) assumirá interinamente a prefeitura. A cerimônia de posse aconteceu às 10h desta quarta-feira (27) na Câmara Municipal.

O motivo do pedido de afastamento foi a apresentação do relatório final da CPI dos Consignados pelo relator, o vereador Luciano Júnior. A Comissão investigou o não repasse dos empréstimos consignados às instituições financeiras pelo Município.

A CPI dos Consignados foi aberta em 18 de outubro de 2018, após aprovação de 10 vereadores, 2/3 da Casa Legislativa. O relatório será entregue ao Ministério Público para que o prefeito seja responsabilizado civil ou criminalmente.

A comissão que tratará do impeachment do prefeito será formada pelos vereadores Antônio Almeida Filho (presidente), Josias Pereira de Melo (relator) e José Reginaldo (membro).

CPI dos Esportes

Na sessão da terça-feira (26), houve ainda a abertura Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Esportes, para investigar possíveis irregularidades na celebração da contratação e pagamentos referentes a convênios de cooperação entre a prefeitura e a Liga Desportiva do município.

O objetivo da comissão é colher informações. De acordo com os vereadores, existem evidências de mau uso do dinheiro público. Quatorze vereadores assinaram abertura desta CPI. Em novembro do ano passado, um vereador da cidade denunciou ao Ministério Público que os servidores, aposentados e pensionistas estavam com os salários atrasados desde julho. O MPPE ajuizou uma ação civil pública e chegou a bloquear os bens da prefeitura. O prefeito está sendo investigado por improbidade administrativa. Na ocasião, o promotor de Justiça João Paulo informou que além da responsabilização, a promotoria objetivava garantir o pagamento da folha de funcionários.

Por NE10 Interior