Ceclin
set 11, 2011 10 Comentários


Prefeito de Águas Belas sofre atentado

Prefeito Genivaldo Menezes utiliza escolta especial e teve parte da casa incendiada

Foto: Alexandro Auller/JC Imagem

Fogo chegou a atingir pouco mais de um metro na porta da casa, mas logo foi apagado

do JC Online

Por volta da 1h40 deste domingo (11), o suspeito José Macário de Brito, o Duda de 41 anos, ateou fogo em uma garrafa pet com combustível, na porta da residência do prefeito de Águas Belas, no Agreste do Estado, Genivaldo Menezes (PT).

Após ouvir o barulho do interfone e do fogo atrás das portas, a primeira-dama, Socorro Delgado, grávida de três meses, chamou a polícia, que registrou a ocorrência e assistiu às imagens da câmera de segurança da residência. Na filmagem os agentes reconheceram o morador José Macário, que jogava gasolina na porta, ateava fogo e corria.

A segunda equipe de plantão da Delegacia de Águas Belas fez diligências na cidade até as 10h30, quando encontrou o suspeito em sua própria casa fazendo uma mala. Ele chegou a reagir com uma faca, mas foi dominado pelos policiais.

De acordo com o agente da Delegacia de Águas Belas, Caio Afonso, Macário já havia sido preso e solto havia algumas semanas por roubo de moto e também já havia se envolvido em um homicídio. Macário responde agora pelo incêndio e por desobediência, podendo pegar até 8 anos de prisão.

O clima é tenso nas ruas da Águas Belas, no Agreste do Estado. No espaço de uma semana, foram registrados três ataques consecutivos a dois funcionários da Prefeitura e ao próprio prefeito Genivaldo Menezes (PT). 

Embora o acusado seja um ex-funcionário do ex-prefeito Nomeriano Martins – integrante do grupo político que controlou a cidade até 2009 – a polícia descarta por enquanto a tese de crime político. Por causa do acirramento, desde 2003 – quando teve a casa metralhada – Genivaldo Menezes utiliza escolta policial. Na época, ele atribuiu a autoria do atentado aos Martins, mas não houve provas. 

O presidente do PT, deputado Pedro Eugênio, também não quis fazer acusações. Ele vai pedir ao secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, pressa na apuração. Na terça passada, tentaram incendiar a casa do assessor Adalto Ferreira. Sexta, o automóvel do assessor Alan Roberto ficou em chamas. Os ataques aconteceram duas semanas após a entrevista de Nomeriano Martins a uma rádio local, na qual fez acusações contra o prefeito, sugerindo que ele teria mandado o Ciosac, da PM, revistá-lo. “Não tem a ver conosco”, defendeu-se Menezes.