Ceclin
maio 17, 2012 0 Comentário


Preço do milho pode chegar a R$ 35 por conta da seca em Pernambuco

A mão do milho é vendida, em média, no Ceasa por R$20 Foto: Karla Oliveira/Especial para o NE10

Karla Oliveira, especial para o NE10

A venda do milho no Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa/PE) está 50% menor que em 2011. A constatação foi feita pelos cerca de 15 vendedores do produto no local. A queda nas vendas e o consequente aumento no preço é reflexo da seca no Nordeste.

Hoje, a mão do milho (composta por 50 unidades do produto) varia de R$ 20 a R$ 25, dependendo do tamanho e da qualidade do alimento. Esse valor é 108% superior ao comercializado no mesmo período do ano passado. O ciclo junino para o comércio começou nessa segunda-feira (14). “A oferta diminuiu cerca de 20% no período de uma semana. A tendência é que os preços continuem caros até o São João.

A verdade é que as perspectivas com esta seca não são nada boas”, explicou o diretor Operacional do Ceasa, Paulo de Tarso. O vendedor Arlindo Abílio de Lima comercializa no Ceasa há 20 anos. De acordo com ele, a grande procura ainda é dos pequenos vendedores de milho cozido e canjica. Eles, no entanto, estão comprando bem menos do que nos anos anteriores. “Todos os dias tem cliente, mas nem sempre compram. Não vale a pena pelo valor encontrado hoje, mas a gente também não pode baixar o preço”, explicou o vendedor.

Apesar dos altos preços e do período de estiagem, os vendedores garantem que o negócio é rentável e supre as necessidades. O milho vendido no Centro de Abastecimento é comprado atualmente nos municípios de Bonito e Barra de Guabiraba, no Agreste de Pernambuco, e em algumas cidades do Ceará.

Quase metade dos municípios pernambucanos está em estado de emergência por causa da falta de chuvas. Oitenta e seis cidades estão nessa situação, o que representa 45,9% dos municípios. Além do Sertão, a seca atinge o Agreste e a Zona da Mata do Estado.