Ceclin
mar 11, 2020 0 Comentário


Policiais Civis decretam paralisação de 24h. Governo classifica movimento como ‘ilegal e precipitado’

Polícia Civil de PE

Diante do impasse entre os Policiais Civis de Pernambuco ante ao Governo do Estado que se comprometeu diante da imprensa e do povo a apresentar uma proposta concreta de reajuste salarial e melhorias nas condições de trabalho da categoria na quarta-feira (11/03), e não o fez, a Polícia Civil de Pernambuco vai parar por 24 horas, a partir da 0 hora, da próxima sexta-feira (13).

Além disso, foi deliberado na assembleia que já a partir desta quinta (12) a Operação Polícia Cidadã (Operação Padrão) será implementada intensamente, a partir de forte mobilização da diretoria, que logo a após a reunião já se espalhou e seguiu viagem para mobilizar todas as regiões do Estado. Também foi encaminhada a realização de uma nova passeata, no próximo dia 19, com concentração a partir das 9h da manhã, na sede do Sinpol. Na ocasião, os Policiais entregarão oficialmente o Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES).

Para o Presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, a postura do Governo foi inadmissível. “A categoria deu um voto de confiança ao governo, mesmo com o histórico de falta de diálogo. Não paralisamos as atividades durante o carnaval em respeito ao povo pernambucano e, mais uma vez, sinalizando nossa disposição em não radicalizar. Mas, infelizmente, está provado que esse governo só entende a linguagem da luta. É uma pena, mas, está óbvio que o Governador não tem palavra. Mentiu para os Policiais Civis e para o povo Pernambucano”.

NOTA

Nesta quarta-feira, a representação sindical dos Policiais Civis de Pernambuco ameaçou o governo do Estado, e a SDS reagiu rapidamente às ameaças. Veja abaixo a nota oficial da Polícia Civil, enviada ao Blog:

A Polícia Civil de Pernambuco acredita na responsabilidade e no compromisso dos seus servidores com a segurança pública e o bem-estar dos pernambucanos. Vale lembrar que o Supremo Tribunal Federal decidiu, em 2017, pela inconstitucionalidade das greves por parte dos policiais civis e demais servidores que atuam diretamente na segurança pública. Casos que infrinjam a legislação vigente e normas internas da corporação serão, como de praxe, analisados pela Corregedoria Geral da SDS.

É importante lembrar que o Governo de Pernambuco mantém um canal de diálogo aberto com a categoria, com avanços importantes obtidos por meio da mesa de negociação ao longo dos últimos anos. Em tempos de crise, em que muitos Estados deixaram de honrar com a folha de pagamento, houve significativos ganhos salariais e nas condições de trabalho para os policiais de Pernambuco. Qualquer iniciativa no sentido de paralisar atividades, além de ilegal, é precipitada. A PCPE, integrada às operativas de segurança, não medirá esforços para prevenir e reprimir a violência, garantindo o ir e vir e o bem-estar da população.