Ceclin
fev 04, 2020 0 Comentário


Polícia prende suspeito de participação na morte do vereador de Gameleira

Imagens de câmeras de segurança foram utilizadas para comparar com as características do suspeito. A moto apreendida também coincide com a do vídeo. (Suspeito do crime/ Imagens reprodução redes sociais).

Imagens de câmeras de segurança foram utilizadas para comparar com as características do suspeito. A moto apreendida também coincide com a do vídeo. (Suspeito do crime/ Imagens reprodução redes sociais).

A Polícia Militar de Gameleira, na Mata Sul do Estado, prendeu, na manhã desta terça-feira (04/02), um homem com fortes indícios de ser o responsável pela morte do vereador José Ednaldo Marinho, do PRB, de 45 anos. Ele teve a prisão decretada por meio de decisão judicial após entrar em contradição em depoimento e ter uma moto com as mesmas características da registrada por câmeras de segurança no local do crime.

Por volta das 11h40, oficiais da Guarnição Tática receberam a informação de que havia um indivíduo circulando pela cidade com uma motocicleta com o propósito de cometer crimes, no bairro Santa Terezinha. Em diligências, a Polícia localizou a moto do suspeito na frente de sua residência. Interrogado, a princípio ele negou a propriedade do veículo, mas depois confessou ser ele mesmo o dono, tendo adquirido o veículo há pouco tempo.

Por causa das contradições de seu depoimento, o efetivo o conduziu até a Delegacia, onde foram apurados fortes indícios de ser ele o responsável (ou ter participação) na morte do vereador Ednaldo (PRB/PE), assassinado a tiros no dia 29 de janeiro, em frente à sede do Poder Legislativo Municipal.

Imagens de câmera de segurança

Um dos principais indícios de sua participação no crime são as imagens de câmeras de segurança da rua, que flagraram o suspeito com o mesmo perfil do elemento preso. Além disso, a cor e o modelo da moto usada pelo assassino são idênticos ao veículo que aparece no vídeo.

Em virtude dos fatos, o  Delegado Frederico Marcelo, da 13ª Delegacia Seccional, solicitou da Vara Única de Gameleira um mandado de prisão temporária acatado pelo juiz. As investigações continuam a cargo da Divisão Especializada em Apuração de Homicídios (DEAH), da Polícia Civil de Pernambuco.