• Ceclin
jan 18, 2012 0 Comentário


Polícia já sabe quem comandou rebelião na Funase do Cabo

JC Online

Polícia Civil já sabe quem comandou a rebelião que resultou na morte de três internos na Funase do Cabo de Santo Agostinho, no último dia 10.

A delegada Marisandra Pimentel, responsável pela apuração dos crimes violentos letais intencionais ocorridos no Cabo, identificou os assassinos de José Mário de Oliveira Filho, Alan Fraga de Oliveira e Pedro Henrique de Oliveira Lima.

José Mário de Oliveira e Alan Oliveira foram mortos com golpes de arma branca, pauladas e ainda tiveram os corpos arremessados em fogueiras feitas com colchões. Pedro Henrique foi vítima de crueldade maior. Teve a cabeça arrancada e arremessada por cima do muro, para fora da unidade da Funase do Cabo de Santo Agostinho. Além dos três mortos, a rebelião deixou 16 internos feridos.

Ontem pela manhã, os integrantes da câmara intersetorial que acompanham os desdobramentos da crise na Funase se reuniram na Secretaria de Planejamento, na Rua da Aurora, área central do Recife. Na reunião ficaram definidas três prioridades a serem fiscalizadas: a construção das novas unidades, a abertura de concurso para agentes de desenvolvimento social e a ampliação do programa de liberdade assistida para adolescentes infratores.

 Participaram do encontro, representantes de entidades de defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes, Ministério Público, a secretária da Juventude, Raquel Lyra, e o presidente da Funase, Alberto Vinicius Melo do Nascimento.

O juiz Elson Zoppellaro Machado, que está acumulando a Vara da Infância e da Juventude do Cabo de Santo Agostinho no mês de janeiro, recebeu ontem a ação impetrada pelo Ministério Público que pede a exoneração do presidente da Funase. Antes de entrar no mérito da questão, o magistrado está analisando se o caso é de sua competência ou se deve ser encaminhado para uma Vara da Infância e da Juventude da Capital.

Os promotores da Infância e da Juventude Maxwell Vignoli e Allison Carvalho entraram com o pedido de afastamento imediato do presidente da Funase na última sexta-feira. Os promotores se basearam na denúncia publicada pelo Jornal do Commercio, onde as mães dos três jovens assassinados na rebelião relatam a conivência do presidente nos casos de violência e tráfico registrados na unidade.

A ação, protocolada na Vara da Infância e da Juventude do Cabo, reproduz trechos da reportagem nos quais a dona de casa Eliane Guilherme de Lima, mãe de José Mário Oliveira Filho, 18 anos, relata a existência de um esquema entre internos e agentes de desenvolvimento social para traficar drogas.