• Ceclin
mar 26, 2018 0 Comentário


Polícia Federal investiga fraudes no INSS da Vitória de Santo Antão

INSS Vitória PE

Operação da Polícia Federal mira fraudes no INSS em Pernambuco

com informações da Rádio Jornal 

atualizado às 12h30

A Polícia Federal em Pernambuco deflagrou a Operação Tabocas, que investiga fraudes no INSS nesta segunda-feira (26/03). Segundo a PF, o número de aposentadorias fraudadas ainda está sendo levantado, mas os prejuízos causados aos cofres públicos até agora chegam a R$ 140 mil. Um prejuízo de R$ 470 mil foi evitado.

Estão sendo cumpridos esta manhã, dois mandados de busca e apreensão, um deles na agência da Previdência Social em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e outro na casa de uma servidora pública lotada na mesma agência. Além desses, há oito mandados de intimação, em Vitória de Santo Antão, Abreu e Lima, Limoeiro e Paulista. Há ainda um mandado que afasta uma servidora pública.

Investigações
De acordo com a Polícia Federal, as investigações começaram em 2014 quando foram colhidos elementos de prova de fraude. Os crimes investigados são estelionato contra entidade de direito público e inserção de dados falsos em sistema de informações cujas penas somadas ultrapassam os 17 anos de reclusão.

Segundo o delegado Renato Madsen, a quadrilha investigada atuava em três instâncias. A primeira era por servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), responsáveis por inserir dados falsos para concessão dos benefícios. “Se inventava um enquadramento das pessoas nos requisitos para se aposentar como se fosse trabalhador rural”, detalha o delegado. A segunda instância se dava por intermediários, que levantavam os dados e mediavam o contato entre os servidores e os beneficiários e, por fim, os próprios beneficiários, que davam parte do valor concedido à organização criminosa. Nesta fase da investigação, segundo a PF, são investigados os intermediários da ação criminosa e os servidores do INSS pelos crimes de de estelionato. Assim, as aposentadorias em que foram detectadas irregularidades serão suspensas.

Servidora

A servidora pública investigada pela Polícia Federal (PF) na “Operação Tabocas”, por fraudes na concessão de aposentadorias em Pernambuco, é suspeita de reter parte dos benefícios irregularmente concedidos por ela. De acordo com a PF, a mulher possui imóveis em nomes de filhos e parentes, com uma renda que não condiz com o patrimônio. “A servidora que chefiava a quadrilha tem 20 imóveis no nome de parentes e filhos. Esses imóveis estão alugados, mas todos no nome dela. E nas buscas foram encontrados os boletos de pagamento de todos os 20 imóveis. A atividade criminosa se arrastava a cerca de dois anos e esse tempo não condiz com o crescimento do patrimônio dela”, explicou o delegado Renato Madsen, da Delegacia Regional de Investigação ao Crime Organizado.

A servidora foi afastada das atividades de recepção, análise, habilitação e concessão de benefício da seguridade social e as aposentarias por idade concebidas de forma irregular foram suspensas. O número total de benefícios fraudados está sendo levantado pelo operacional. Com os documentos colhidos nesta segunda, diz a PF, as investigações serão aprofundadas, incluindo a possibilidade de detectar o envolvimento de outros setores no esquema ilícito.