Ceclin
ago 28, 2021 0 Comentário


Pitú: tradição e contemporaneidade em aguardente

Alexandre Ferrer anuncia em breve inauguração de um novo galpão na fábrica da Pitú, em Vitória. Foto: Divulgação

Marca querida, a Pitú é genuinamente pernambucana e atua com muita propriedade no mercado

Por Eduarda Barbosa, da Folha de Pernambuco

Ainda que de forma cautelosa, o setor de bebidas está otimista em relação ao segundo semestre de 2021. De acordo com a Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe), o segmento sentiu o impacto com a suspensão de grandes eventos e fechamento ou restrições no funcionamento de bares e restaurantes. Mas o cenário atual é de recuperação diante dos novos indicadores e do espírito de retomada, do calendário de vacinação e da flexibilização das medidas de combate à pandemia, permitida pelos dados da saúde.

Do ponto de vista da produção de bebidas alcoólicas, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi registrada uma aceleração de 16,6% no acumulado de janeiro a maio deste ano.

Pitú

A interação com o público em diversas plataformas, sempre buscando estreitar a relação com os consumidores de aguardente, foi uma grande ação realizada pela empresa genuinamente pernambucana, a Pitú. Vencedora da categoria Aguardente e segundo lugar na categoria especial Marca que representa o Estado de Pernambuco, a Pitú permaneceu com o compromisso de apoiar os profissionais do setor cultural, muito afetado durante a pandemia. Nesse objetivo, a empresa patrocinou apresentações on-line com diversos artistas nacionais e locais, como Wesley Safadão, Barões da Pisadinha, Petrúcio Amorim, entre outros.

Além disso, a Engarrafamento Pitú continuou interagindo com os clientes e potenciais clientes nas mídias on-line e off-line, sempre com muito dinamismo, humor e criatividade. E não parou por aí. Durante a pandemia, a empresa realizou algumas melhorias no e-commerce, tanto na usabilidade quanto na oferta de produtos. No site, foram incluídas outras bebidas do portfólio e foi iniciada a venda de novos produtos, como camisas e bonés da marca, novidade que foi muito bem aceita pelos pituzeiros.

“A afetividade, reciprocidade, fidelidade e identificação imediata dos consumidores com a Pitú são reflexo de todos que fazem parte da empresa, desde a equipe de Marketing e Comunicação, até as equipes envolvidas na produção da cachaça, no controle de qualidade, no atendimento direto ao cliente e demais setores primordiais para o funcionamento de uma fábrica com sucesso. Temos a constante preocupação de atender às expectativas dos nossos consumidores e nos mantermos próximos a eles”, destacou o presidente da Engarrafamento Pitú, Alexandre Ferrer.

A empresa ainda está programando novidades, com ampliação na fábrica na Zona da Mata de Pernambuco. “Em breve teremos a inauguração de um novo galpão na fábrica da Pitú, em Vitória de Santo Antão, o qual irá aumentar a capacidade de armazenagem e carregamento da aguardente, melhorando a velocidade de atendimento aos clientes”, contou Ferrer.

A Engarrafamento Pitú foi fundada em 1938 por Joel Cândido Carneiro, Severino Ferrer de Moraes e José Ferrer de Moraes. Com 83 anos de história, a Pitú, líder no Norte-Nordeste, é a segunda cachaça mais consumida do Brasil. A empresa engarrafa e comercializa, aproximadamente, 100 milhões de litros por ano. A Pitú é uma aguardente de cana pura e transparente, além das suas versões envelhecidas Pitú Gold e Vitoriosa. No portfólio da empresa ainda tem a Pitú Limão, a Pitú Cola, a vodka Bolvana e a bebida mista à base de vinho, Do Frei.