• Ceclin
mai 17, 2019 0 Comentário


PITÚ: Sustentabilidade para reforçar a marca

Maria das Vitórias Cavalcanti (diretora de exportações e relações institucionais da empresa), Reginaldo Almeida (auditor da Organização Socioambiental Ecolmeia) e Alexandre Ferrer (diretor da Pitú).

Maria das Vitórias Cavalcanti (diretora de Exportações e Relações Institucionais da empresa), Reginaldo Almeida (auditor da Organização Socioambiental Ecolmeia) e Alexandre Ferrer (presidente da Pitú).

Pitú ganha reconhecimento internacional de organização ambiental 

Para ampliar a consolidação no mercado internacional, a Pitú vem apostando na sustentabilidade. A escolha por tornar a produção na fábrica da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, ecologicamente correta já tem rendido bons frutos à companhia pernambucana. O último deles foi a certificação Selo Verde, na categoria Ouro, que torna o engarrafamento Pitú reconhecido pela organização ambiental Ecolmeia.

A certificação se deu na última quinta-feira (16/5), quando Alexandre Ferrer, presidente da empresa, agradeceu o empenho de toda equipe para essa aquisição na medida em que 120 organizações no País já integram a rede de certificadas pelo Selo Verde Ecolmeia e já são multiplicadoras de boas práticas socioambientais.

Com as terceiras e quartas gerações assumindo a direção da empresa, a Pitú, nos últimos anos, investiu mais de R$ 3 milhões num plano estratégico de sustentabilidade que está organizado em cinco pilares: gerenciamento da água, reciclagem, reflorestamento, educação ambiental e preservação cultural e histórica.

“No mercado internacional, as empresas estão à nossa frente. Lá fora, e aqui no Brasil também, nós já éramos muito cobrados quanto à essa responsabilidade socioambiental, que sempre foi uma prática da empresa, mas agora possui mais relevância”, conta a diretora de Exportações e Relações Institucionais da Pitú, Maria das Vitórias Cavalcanti.

Hoje, com soluções nas áreas de produção e logística, a Pitú conseguiu consolidar uma operação que utiliza 94% de garrafas retornáveis. Além disso, atualmente, a ampliação e modernização dos sistema de tratamento de efluentes garante que a empresa consiga retornar mais de 80% de toda a água captada do Rio Tapacurá, sendo 40% dessa água retornada ao rio para ser usada pela comunidade local e o restante utilizada nas lavagens de garrafas.

Selo Verde Ecolmeia

O empenho na sustentabilidade revela o interesse da marca num mercado promissor mundo a fora. Do total produzido pela empresa (98 milhões de litros por ano) apenas 2% é exportado. “Temos uma tendência positiva de crescimento desse mercado no exterior. Fazemos venda direta para 16 países (2,8 milhões de litros por ano) e já comandamos o mercado da Europa, tendo a Alemanha como o país líder em consumo (1,5 milhão de litros)”, reforça Maria das Vitórias.

No Brasil, a Pitú é líder nos mercados Norte e Nordeste. Além da aguardente de cana pura, a companhia contabiliza as envelhecidas Premium – Pitú Gold e Extra Premium – e a Vitoriosa. O portfólio ainda conta com a bebida mista de cachaça com limão, a Pitú Limão, a bebida alcoólica mista à base de noz de cola, Pitú Cola, a vodka Bolvana e a do Do Frei, bebia mista à base de vinho. No primeiro quadrimestre de 2019 frente o mesmo período teve crescimento de 22% no faturamento e de 21% no volume de produção.

Disposta em adquirir futuramente a categoria Diamante deste Selo, a empresa quer consolidar-se como Gree Company. “Essa marca nos orgulha enquanto cidadãos vitorienses quando a Pitú é referência junto aos estrangeiros para conhecer Vitória de Santo Antão, sede de nosso parque fabril. É importante frisar que prezamos a ética global e tudo começou devido aos esforços ambientais estimulados pela antiga geração da Pitú. Nós primamos pela nossa origem”, sentenciou.

 LEIA TAMBEM:

- Pitú mira em São Paulo para expandir negócios no mercado interno