Ceclin
fev 15, 2017 0 Comentário


PF desarticula quadrilha que atuava em Água Preta e mais nove prefeituras

42aee23f32b7985d83f5115a303ccfa5

Agentes públicos municipais são suspeitos de fraudar processos licitatórios, direcionando seus resultados.

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (15), a Operação Cosa Nostra, em ação conjunta com o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas do Estado, para desarticular uma organização criminosa instalada em diversas prefeituras do Agreste do Estado. Agentes públicos municipais são suspeitos de fraudar processos licitatórios, direcionando seus resultados. O valor dos recursos públicos destinados às empresas investigadas para beneficiar políticos, parentes e empresários gira em torno de R$ 100 milhões.

O grupo atuava nas cidades de Agrestina, Panelas, Jurema, Água Preta, Lagoa dos Gatos, Bom Conselho, Jupi, Iati, Riacho das Almas e Angelim. Ao todo, estão sendo cumpridos 17 mandados de busca e apreensão, sendo três em Agrestina, seis em Caruaru,  sete em Garanhuns e um em São João. Os três últimos municípios não estão envolvidos no esquema,  são apenas endereços de integrantes dos cartéis e empresas.

Cerca de 70 policiais federais e 10 membros da Controladoria estão em busca de materiais como documentos, planilhas e mídias de computador para auxiliar as investigações em andamento.

Oito pessoas vão ser indiciadas na Operação Cosa Nostra

Oito pessoas suspeitas, entre políticos, representantes de empresas e servidores públicos vão ser indiciados e responsabilizados na medida de sua participação nos crimes de frustração de caráter competitivo de licitação, fraude na contratação, corrupção ativa e passiva e crime de responsabilidade. As penas somadas ultrapassam 30 anos.

Investigações da Operação Cosa Nostra começaram em junho de 2016

As investigações começaram em junho do ano passado. A partir da denúncia de um vereador foram identificadas diversas irregularidades envolvendo contratação de empresas. Um determinado cartel composto por ‘sócios-laranjas’ estava vencendo licitações para execução de obras públicas com verbas federais, principalmente na área de saúde e educação.

Jornal do Commercio