• Ceclin
mar 27, 2019 0 Comentário


Pernambuco ganha primeiro viveiro florestal operado por socioeducandos da Funase Vitória

A turma mais recente começou em janeiro. Fotos: Divulgação/Funase

A turma mais recente começou em janeiro. Fotos: Divulgação/Funase

Com produção de até seis mil mudas por ano, espaço é usado para atividades formativas de adolescentes em Vitória de Santo Antão 

A Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) e a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) inauguraram, nesta quarta-feira (27/03), o primeiro viveiro florestal do Estado operado por adolescentes em regime de internação. O espaço funciona no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) Vitória de Santo Antão, na Mata Sul de Pernambuco. Com capacidade para produzir seis mil mudas por ano, o equipamento alia a responsabilidade ambiental à prática pedagógica com o intuito de transformar vidas.

Desde o segundo semestre de 2018, quando o viveiro florestal foi implantado pela Compesa na unidade da Funase e passou a funcionar em formato piloto, 15 socioeducandos já foram capacitados profissionalmente. Eles aprenderam procedimentos de plantação e coleta de mudas, além da manutenção do espaço. As atividades vêm sendo feitas com o acompanhamento de equipes da Compesa, de oficineiros do Case Vitória e da equipe do Eixo Profissionalização, Esporte, Cultura e Lazer da Funase.

A turma mais recente começou em janeiro. O socioeducando M.M.S., de 17 anos, é um dos que ajudam a cuidar de mudas de goiaba, açaí, graviola e trapiá cultivadas no local. “Eu estou gostando dessa experiência porque é algo em que eu mexia quando estava no mundão”, destacou, auxiliado nas atividades pelo colega, A.M., também de 17 anos. “Eu morava no Recife, mas ia muito com meu pai para São José da Coroa Grande e a gente plantava lá. É algo que eu já fazia e que está me ajudando muito aqui também, nesse tempo que estou passando. Não deixa de ser uma experiência que acho positiva”, disse o socioeducando.

Viveiro Funase Pacas VitoriaA implantação do viveiro florestal ocorreu por meio do Projeto Semeando Cidadania, eixo de atuação do Programa Florestar, da Compesa, e teve um investimento de R$ 13,4 mil. A iniciativa já é desenvolvida pela companhia junto a prefeituras, com a formação de estudantes como viveiristas florestais, parcerias técnicas para criação de planos de arborização municipais e distribuição de mudas produzidas em três viveiros administrados pela Compesa em Pirapama (Cabo de Santo Agostinho), Poção e Bonito.

“O nome do projeto, Semeando Cidadania, que ocorre pela primeira vez na Funase e está tendo esse espaço oficialmente inaugurado, é muito oportuno. A passagem por essa experiência vai fazer diferença de forma positiva no futuro dos socioeducandos”, afirmou a presidente da Funase, Nadja Alencar, destacando a existência de tratativas para que outras unidades da instituição possam receber o programa. “Não verificamos reincidência entre os adolescentes que já participaram do projeto, que tem crescido e feito a diferença na unidade porque acreditamos muito nele”, completou o coordenador geral do Case Vitória, Ricardo Veríssimo.

Também presente ao ato de inauguração, o diretor de Articulação e Meio Ambiente da Compesa, Aldo Santos, ressaltou o empenho da companhia em realizar ações que contribuam para a vida das pessoas. “A gente fica feliz quando chega ao ambiente do viveiro florestal e vê uma ideia como essa materializada. São tijolos, madeira e brita que geram vida para a natureza e para quem se envolve no projeto. A Compesa, mais que cuidar da água e do esgoto, quer atuar pela melhoria da qualidade de vida das pessoas”, declarou.