• Ceclin
mar 10, 2009 1 Comentário


Pensando o Estado como um todo

Por Isaltino Nascimento

Tratar todas as regiões da mesma forma, dotando-as de infra-estrutura suficiente para criar um ambiente favorável ao desenvolvimento de Pernambuco. É isto que o governador Eduardo Campos vem fazendo de ponta a ponta do Estado, com obras que estão garantindo melhora na oferta de água, educação, estradas, energia, telecomunicação, habitação, lazer, saúde segurança.
Preocupado em interiorizar o desenvolvimento, o chefe do Executivo passa toda a semana conferindo as ações empreendidas em 32 cidades sertanejas.
Dando ao interior a mesma atenção dispensada à Região Metropolitana do Recife demonstra arrojo no modo de gerenciar a máquina pública estadual. Pois trabalha no sentido de diminuir as desigualdades entre as microrregiões e prepara terreno para os municípios terem as condições necessárias concorrerem aos novos empreendimentos que estão chegando a Pernambuco.
A lista de empresas que já caminharam em direção ao interior demonstra o quanto é importante este trabalho de estruturação dos municípios. Afinal, significa geração de emprego e renda, como está acontecendo com a instalação da Perdigão, em Bom Conselho; da Sadia, em Vitória de Santo Antão; da Netuno, em Belém de São Francisco, e da Hemobrás, Novartis e União Química, no Pólo Farmacoquímico de Goiana.
Os resultados destes investimentos vêm sendo sentidos e comemorados pelas populações interioranas. São ações de sustentabilidade hídrica, com obras que somam R$ 1,3 bilhão, a universalização do acesso à energia elétrica, já cumprida, e da telefonia, que deverá chegar este ano aos 70 municípios onde o serviço não é prestado.
A recuperação e ampliação da malha rodoviária é outro viés do plano de interiorização, cuja meta é terminar os quatro anos de mandato com 100% dos municípios com estradas de acesso construídas.
O projeto de interiorização também prevê o fortalecimento das vocações regionais e o fomento aos arranjos produtivos locais. Com exemplos como o do Pólo de Confecções, onde foi estabelecido um novo tratamento tributário para facilitar a vida dos empreendedores.
Na área fiscal, o governo estadual aumentou o crédito presumido de ICMS para as microrregiões fora do Grande Recife, que antes não ultrapassava 75%. Pela legislação, a empresa que se instalar na Zona da Mata tem 85%, no Agreste 90% e no Sertão 95% de rebatimento no ICMS.
Demonstrando a capacidade administrativa de Eduardo Campos, que em pouco tempo mudou o parâmetro de gestão, que outrora não olhava para o interior e centrava-se na área metropolitana, num posicionamento extremamente preconceituoso.
Agora o que se vê é a presença maciça do Estado nos 184 municípios e no arquipélago de Fernando de Noronha, onde o governador Eduardo Campos tem o que fiscalizar e o que inaugurar para a população.

Gestor não é só aquele que fica trancado em gabinete, mas que demonstra sensibilidade em ouvir o pleito das pessoas, olho no olho.

Deve ser por isso que de cada 10 pernambucanos, 8 aprovam a gestão de Eduardo Campos. Para o dissabor de parte da oposição, que tenta, em vão, desqualificar este trabalho.


por Isaltino Nascimento,
(http://www.isaltinopt.com.br/), deputado estadual pelo PT e líder do governo na Assembléia Legislativa, escreve para o Blog todas às terças-feiras.