Ceclin
set 08, 2009 0 Comentário


Pela liberdade de crença

Por Isaltino Nascimento

“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados. Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos além da medida. É nossa luz, não nossa escuridão o que mais assusta”. (Nelson Mandela)

Só a partir da Constituição de 1988 é que foi assegurado aos brasileiros o direito de manifestar livremente suas crenças religiosas. Contudo, isso não significou o fim da intolerância contra os adeptos dos cultos de matriz africana, mas sim o começo de uma jornada para assegurar a liberdade de crença prevista na lei. Assim, cotidianamente os afro-religiosos batalham para resgatar heranças e valores roubados durante o período da escravidão. Em nome desta luta, solicitei à Assembléia Legislativa de Pernambuco a realização de audiência pública, na próxima quinta-feira (10), para discutir a intolerância religiosa.

Para a reunião foram convidados integrantes do movimento negro e praticantes dos cultos afrobrasileiros, que permanentemente estão mobilizados em busca da convivência pacífica e tolerante entre as religiões. Também foram convocados representantes dos poderes constituídos, a fim de ampliar o debate.

Apesar de ainda não figurar na maioria dos livros que contam o processo de colonização brasileiro, a história dos africanos sequestrados de seus territórios para servirem de mão-de-obra escrava no Brasil é uma das chaves para entender a riqueza dos cultos afros.

Naquela época, a orientação oficial da igreja para justificar a escravidão era o argumento de que os negros não tinham alma e nem religião, portanto podiam ser desrespeitados. Assim, o negro teve que abrir mão de sua religião, de seus costumes, de seus valores, de sua visão de mundo, de sua visão de sociedade e de Estado para enfrentar uma realidade de perseguição em terras desconhecidas. Por conta disso, a reação dos escravos contra a intolerância religiosa foi uma estratégia de resistência que ficou conhecida como sincretismo religioso. Ou seja, o negro escondeu a prática de seus valores religiosos por meio da religião do seu dominador, para desta forma poder cultuar seus orixás. Dando origem a manifestações como o candomblé e a umbanda.
Esse atraso no conhecimento da história dos nossos ancestrais gerou a falta de compreensão sobre os significados das religiões de matriz africana e em conseqüência a intolerância em relação às pessoas que as praticam. O que não pode ser aceito em um país laico como o Brasil, muito menos em pleno século XXI.
A busca dos afrodescendetes não é pela hegemonia de um ou outro credo, mas pela convivência harmônica entre as pessoas, inclusive as que não professam nenhuma fé.

Por Isaltino Nascimento,
deputado estadual pelo PT e líder do governo na Assembleia Legislativa, escreve para o Blog todas às terças-feira.