Ceclin
out 17, 2016 0 Comentário


PEC 241 resgata Estado Mínimo e aumenta desigualdade social, alerta Sindsep-PE

13dez2015-manifestantes-realizam-ato-pelo-impeachment-da-presidente-dilma-rousseff-na-avenida-paulista-em-sao-paulo-1450027254952_956x500-740x387

Quem não se lembra do mascote da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) – um pato amarelo gigante – instalado no coração econômico do Brasil, em plena Avenida Paulista, em São Paulo? O boneco era figura certa nas manifestações que pediam o impeachment da presidente Dilma – em um passado bem recente e tinha como slogan “não vamos pagar o pato”. A grita dos industriais e dos empresários está surtindo efeito. Com a consolidação do governo Temer no poder, a primeira medida para atender esse segmento foi a PEC 241, aprovada na última segunda-feira, dia 10, na Câmara dos Deputados.

O projeto representa a volta do Estado Mínimo, uma espécie de prêmio do governo para o mercado, que financiou o impeachment e agora quer colher os frutos. A PEC 241 é o primeiro de vários outros projetos ultraneoliberais que esse governo ilegitímo promete aprovar nos próximos meses, entre eles as reformas trabalhista e previdenciária, as quais devem retirar direitos da classe trabalhadora. Mas a quem interessa congelar os serviços públicos por 20 anos, como propõe a PEC 241? Quem ganha e quem perde?

Ganham os representantes do capital: o mercado financeiro, o empresariado, os industriais, o agronegócio, setores esses que financiam, há anos, a grande maioria dos deputados que votou a favor da PEC 241. Perdem as pessoas que dependem do serviço público para ter acesso à educação, à saúde e à assistência social, já que, nos próximos 20 anos, os recursos para essas áreas serão reajustados com base na inflação do ano anterior, um percentual bem abaixo do que vinha acontecendo nos últimos anos. Perdem ainda os servidores públicos, que também passarão os mesmos 20 anos sem reajuste salarial ou qualquer outro tipo de benefício.

Você vai assistir a tudo isso parado? Ao invés de cortar investimento público, por que não se taxa as grandes fortunas? Os trabalhadores e a população carente não são responsáveis pela crise, mas, se nada for feito, vão pagar esse pato.

 

Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco – SINDSEP-PE