• Ceclin
jul 10, 2009 26 Comentários


Pauta livre com picuinhas na Câmara da Vitória

Em pleno recesso parlamentar, a Câmara de Vereadores da Vitória de Santo Antão acabou sendo convocada a uma Reunião Extraordinária para analisar alguns projetos enviados pelo Executivo Municipal. Ocorrido nessa quinta-feira (09), no final da tarde, a Casa Diogo de Braga ficou lotada para testemunhar o retorno do vereador Pedro Queiroz (PPS), que teve direito a orquestra de frevo na frente da Casa contratado pelos amigos, de fogos de artifícios e claque que ansiavam escutá-lo.

Foi notada a ausência do vereador Everaldo Arruda (PSDB), que foi justificada ao Presidente Mano Holanda (PMDB). Outra ausência notada assim que começou a Sessão foi a do Vereador José Aglaílson (PSB) que chegou a marcar presença no plenário da Casa, porém não permaneceu para acompanhar essa Sessão legislativa.

Assumindo o papel de Secretário da reunião, o Ver. André de Bau (PMN) terminou fazendo a leitura da Ata diante da ausência de Everaldo Arruda, que foi, como sempre, aprovada. Já no grande expediente foi assinalado que haveria cinco projetos de Lei, além da possível aprovação de pareceres de diversos projetos analisados pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal.

Para marcar o início da Sessão, os vereadores André de Bau e Frazão (PR) propuseram que o grande expediente fosse marcado por Pauta Livre de discussão, logo aceito pelo restante presente. A partir daí, notadamente, foi marcada uma plena Sessão de lavagem de roupa suja.

Em tom de desabafo, o vereador Novo da Banca (será ainda PSB?), aproveitou de seu tempo na tribuna para atacar o seu colega de partido Geraldo Enfermeiro. Antes, porém, parabenizou pelo retorno de Pedro Queiroz, fazendo questão de afirmar que dando exemplo de grandeza fez o mesmo com o suplente Sandro da Banca (PR), que até então preenchia a vaga de Queiroz. Novo declarou que tanto Sandro quanto Pedro mereciam está na Câmara, mesmo sabendo que na última eleição o Sandro da Banca havia lhe ofendido nos palanques “dizendo que eu (Novo) havia matado a sua mãe”.

O Novo da Banca antes do desabafo registrou o seu apelo para que o Executivo, através de sua Secretaria de Obras, promovesse uma reforma nos telhados e sanitários do prédio do Tiro de Guerra, presente no Alto do Reservatório.

Há um projeto gestado pelas Secretarias de Cultura e Turismo, de Meio Ambiente e Obras em transferir a sede do TG local para outra localidade. Em breve, o vereador Novo da Banca e a sociedade vitoriense tomarão conhecimento desta informação.

Não poupando subterfúgios, Novo da Banca citou que dois vereadores usaram a TV Vitória (canal 58) para desmoralizar os trabalhos da Câmara Municipal, se referindo ao Geraldo Enfermeiro e Sylvio Gouveia (ambos do PSB). “Posso definir eles como o palhaço e o bobo da televisão”, atacou Novo. Dizendo que o ex-presidente da Câmara (Geraldo) não tinha moral para falar mal dele. “Eu perdi pra ele com uma pequena diferença de 17 votos. Foi fraco de urna. Apesar de ter a sua disposição o Hospital João Murilo”, cutucou o vereador Novo.

“Não queria chegar a esse momento. Não gosto deste tipo de coisa”, confidenciou. Ele acusou Geraldo Enfermeiro de este ter lhe oferecido um carro de luxo para que este votasse nele mais uma vez para Presidente da Câmara de Vitória. “Eu constitui meu patrimônio com honestidade. Tive que vender o meu carro para pagar dívidas de campanha. E este cidadão fez de tudo pra me derrubar”, declarou Novo, que mesmo afirmando que não votou em Mano por força do partido, não votaria de jeito nenhum em Geraldo novamente, pois Geraldo, segundo ele, não poderia cobrar uma gestão transparente de Mano, pois a dele, não havia sido correta, completando: “Eu tenho como provar o crescimento de meu patrimônio. Agora eu queria saber quanto é que ele ganha no Hosp. João Murilo e o povo quer saber como ele enricou para comprar uma fazenda perto da Sadia (sic)”, comparou. “Eu tenho como provar a compra de minha casa, mas ele não tem como provar a compra da Fazenda dele”, disparou Novo.

Citou que na gestão de Geraldo Enfermeiro havia diversos atos irregulares. Reforçou como exemplos os contratos irregulares de “publicação de jornais da Câmara com o Biraka”; o desaparecimento do veículo Gol 1000 oficial da Câmara e o alto custo de combustível e excesso de quilometragem; contou também que a Feira da Câmara comprada nos supermercados havia um botão automático. “Quando aperta, sai do supermercado e vai direto para um lugar do lado da Sadia”, denunciou.

Afirmando sua posição política na Câmara, Novo da Banca declarou que já havia dito a José Aglaílson que não vai dificultar o Governo de Elias Lira, se este enviar projetos bons para a Câmara. “Se o projeto for bom para o povo de minha cidade, terá o meu apoio”, concluiu Novo da Banca.

O segundo a usar a Tribuna no grande expediente foi o vereador André de Bau que lamentou a morte de uma garota de 14 anos, criada pela suas irmãs, pedindo que se registrasse um Voto de Pesar. Aproveitou para pedir a Secretaria de Obras reparos na Rua Osvaldo Santiago – no Livramento. Em seguida, parabenizou pelo retorno de Pedro Queiroz à Casa e fez também elogios ao Sandro da Banca. “Nem Pedro e nem Sandro estão errados. Quem errou foi o TRE que não promoveu uma correta avaliação do caso”, disse.

O grande momento da Sessão, depois de Novo, foi o retorno a Tribuna do vereador Pedro Queiroz, que acabou discursando em um plenário silente, porém com uma galeria lotada de curiosos agitados, que acabou dando trabalho para Mano Holanda, que estava conduzindo a presidência da Sessão.
“Experimento algo inusitado. Vivo a rotina comum da política. Apesar de tudo, considero que ganhei três eleições em seis meses”, declarou Pedro ovacionado pela galeria. Se referindo às urnas, ao TRE e ao TSE.

Contrariado pelos gritos dos simpatizantes do 40 (PSB), que insistiam provocá-lo da galeria da Câmara, ele não titubeou em fortalecer seu discurso: “Pago um preço muito caro pela minha independência. Não vim para a Câmara tripudiar ninguém”, retrucou. Fustigando depois: “Porém, tem um cidadão aqui que persegue e ainda diz: ‘Elias Lira não persiga ninguém’. Tem também um outro aqui que vende patrimônio alheio”, alfinetou Pedro se referindo a Aglaílson e a Sylvio.

Com a sua chegada da Alemanha no último domingo, Pedro Queiroz registrou que naquele momento estava entregando uma cópia do Certificado de um Curso de Reavaliação concedido pelo governo alemão, dizendo que já esteve naquele país por seis vezes e sempre é requisitado para lá trabalhar. “Acabei não aceitando. Pois hoje, tenho compromisso com o povo da Vitória de Santo Antão”, penitenciou.

Sinalizando que não deixará seu inimigo pessoal sossegado, Pedro Queiroz fustigou na segunda parte de seu discurso o Vereador Sylvio Gouveia, que é presidente do Clube Abanadores O Leão da Matriz. “Vou cobrar o documento de venda do Clube o Leão. Tive a informação que custou a Prefeitura o valor de R$ 132.000,00. Onde está o dinheiro do Leão? Quero saber, o povo quer saber, e tenho direito saber como vereador e como sócio patrimonial que sou do Clube”, ressaltou. Se referindo a “Piscina do Leão” no Maués, após inicialmente confundir este com o Clube Vassouras o Camelo.

Interrompido por umas mulheres ligadas a facção política de Aglaílson presente na galeria, Pedro acabou sendo interpelado pelo presidente Mano Holanda que solicitou silêncio pela quinta vez a plateia. “Esse povo do vermelho batia na cara do povo do amarelo. Esse pessoal é acostumado a tocar fogo na cidade. São um monte de cegos e loucos, que passaram por uma lavagem cerebral”, declarou Queiroz. Para depois finalizar: “O 40 é feito praga, não volta nunca mais”.

Em seqüência sobem à tribuna os vereadores Frazão e Dr. Saulo. Preocupado com a estrada de Galileia, Frazão acabou aprovando um Requerimento pedindo ao DER/PE o alargamento daquela estrada, aproveitando para fazer outros.
Já o Dr. Saulo (PSB) fez apelo ao Executivo e a Secretaria de Obras para tapar um buraco que tem causado acidentes, segundo ele, localizado defronte ao Mercadinho Borba – na antiga Rua da Águia, aproveitando para solicitar o fechamento de outros. Seguindo o exemplo dos outros, parabenizou Pedro Queiroz por ter reassumido a sua vaga na Casa e aproveitou para pedir serenidade as facções políticas em Vitória. “Não estamos aqui para defender o 40 e nem o 25. Estamos aqui para defender Vitória de Santo Antão e cobrar soluções para as suas necessidades”, defendeu para completar: “Mas faço questão de afirmar que o meu coração é vermelho”, que encerrou sendo ovacionado pelas mulheres de vermelho da galeria.

Após o presidente Mano Holanda colocou os projetos e pareceres da Comissão em discussão e votação. Neste momento, já não se contava com a presença do Ver. Geraldo Enfermeiro que havia se retirado do plenário. O presidente da CCJ, Pedro Queiroz, fez a apresentação dos Pareceres de alguns projetos de Lei, os quais foram aprovados.

Dos Projetos de Lei aprovados, dois deles tratavam-se da doação de terrenos para a Empresa Rodoviário Teixeira LTDA, no bairro de Santana. E a outra doação de terreno foi para uma empresa de artigos de vestuário e acessórios – Bezerra Moraes.
Foi aprovado também o projeto de Lei que reestrutura os cargos em comissão do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (COMDICA), outro que Cria o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Ainda o que cria a Controladoria Interna que visa fiscalizar as contas da Prefeitura local e da Câmara.

Esta é a nossa Câmara de Vereadores!


Por Lissandro Nascimento,
Editor do Blog.
Em substituição neste dia ao colunista Elias Martins, impossibilitado de comparecer nessa Sessão.